sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Escritores que (provavelmente) foram mortos por causa de seus livros

Para a maioria das pessoas, o trabalho de um escritor é sempre visto como uma posição confortável atrás de um teclado, digitando histórias perigosas de um lugar bem seguro. Claro que, às vezes, alguns jornalistas precisam ir a campo, e até encarar zonas de combate, para compor suas pesquisas. Mas realmente a maior parte dos autores de ficção não precisam muito se preocupar com um bom seguro de vida.
Mas as ideias contidas em uma escrita podem alcançar uma plenitude que nenhum poder político ou militar é capaz de destruir completamente. Ao longo da história, muitos escritores perderam suas vidas por que se atreveram a escrever sobre algo que não deviam. Mesmo atualmente, existe pelo menos meia dúzia de escritores pelo mundo sob ameaças diretas de execução por causa de seus trabalhos.
Aqui estão alguns autores que poderiam ter vivido um pouco mais se não tivessem tido a teimosia de escrever seus livros.
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

7 Livros envolventes sobre jornalismo

Nesse momento delicado em que passamos por uma abrupta turbulência política no país, muito se questiona sobre a participação da mídia nisso tudo, colocando severamente em check a imparcialidade de revistas e programas de rádio e televisão, mas pouco se fala sobre a verdadeira função do jornalismo perante a sociedade. Gerando um certo receio a respeito do caráter da futura geração de jornalistas que podemos vir a formar.
Grande parte do público costuma refutar certas notícias tendenciosas, com outras fontes ainda mais arbitrárias, tornando o assunto uma bola de neve de comentários raivosos nas redes sociais. Todos armados de links, vídeos e resenhas tão rasas quanto seus parcos conhecimentos sobre o tema. Mas, dificilmente nesse entrevero alguém cita um livro, com uma pesquisa séria realmente dedicada ao conteúdo.
Para lembrar de uma época em que o jornalista era tão heroico quanto detetives de romances policiais, correndo perigo atrás das notícias feito mocinho no encalço de bandidos, selecionamos aqui alguns títulos que ainda carregam o brilhantismo que essa profissão merece:
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Dose Dupla: Anjos da Morte & The Thompsons

Anjos da Morte (The Hamiltons)
Diretor: Mitchell Altieri (The Butcher Brothers), Phil Flores (The Butcher Brothers)
Roteiro: Mitchell Altieri (The Butcher Brothers), Phil Flores (The Butcher Brothers), Adam Weis
Atores: Cory Knauf, Samuel Child, Joseph McKelheer
País: EUA
Ano: 2006
Uma família de vampiros é desfragmentada após a morte de seus pais, por isso os quatro irmãos precisam seguir em frente e o primeiro passo é se adaptar à nova vizinhança. A partir daí, grande parte da história se passa pela perspectiva de Francis (visualmente também), que decide fazer um documentário sobre sua família para um trabalho escolar enquanto ainda não manifestou a realidade de seus familiares, ao mesmo tempo em que inicia uma amizade com uma futura vítima. Enquanto isso, o mais velho tenta manter a ordem enquanto os irmãos gêmeos deixam um rastro de sangue por onde passam, não se importando em deixar sinais de sua maldição.
A partir daí temos um olhar mais dramático e humano sobre quem vive nessa realidade, que nesta obra é tradada como doença. O sofrimento pela ausência dos pais, sua relação com a ingestão de sangue para sobreviver e as turbulências da adolescência faz com que o clima entre eles se torne cada vez pior. Quanto menos se entendem, mais vulneráveis ficam, maximizando suas deficiências com a ausência do controle dos pais.
Não posso negar que é um filme interessante, devido à atmosfera trivial para apresentar um assunto mais do que comum, além da ausência de névoas, super velocidade ou caninos que crescem quando os olhos encontram uma jugular pulsante.
Muito mais interessante do que sua continuação.

Você confere o trailer abaixo:

The Thompsons (The Thompsons)
Diretor: Mitchell Altieri (The Butcher Brothers), Phil Flores (The Butcher Brothers)
Roteiro: Mitchell Altieri (The Butcher Brothers), Phil Flores (The Butcher Brothers), Adam Weis
Atores: Cory Knauf, Samuel Child, Joseph McKelheer
País: EUA, Reino Unido
Ano: 2012
Os componentes da família precisam de sangue para sobreviver, porém agem como aqueles que se alimentam normalmente em todos os aspectos. Em meio à tensão por serem portadores dessa necessidade, aqui apresentada como doença, mergulhamos num drama existencial aliado à relações familiares e amorosas que permeiam o fio condutor.
Estes filmes, longe de ser inesquecíveis, apresentam um ponto de vista interessante sobre os vampiros, denominação jamais citada na obra.
Porém o filme é cheio de altos e baixos, causando sono nos menos curiosos. Ele seria mais interessante se mantivesse a realidade como a conhecemos ao invés de saídas fáceis como clãs. Mesmo que camuflados como família, causa aquela sensação de que vai começar algo que já vi antes, aliado a um roteiro com momentos avacalhados. Em certos momentos as explicações não são suficientes, dando ao espectador escolher entre aceitar ou parar o filme. E nos últimos momentos a obviedade da principal ação de um vampiro é questionada/apresentada.
Os efeitos especiais no rosto do vilão beiram ao caricato, o que acabou minimizando seus momentos ápice, além da construção tanto quando rasa de seus dois filhos.
O protagonista se apresenta como um ser humano normal que carrega uma doença, porém a outra família é veloz como a luz e têm muito mais do que presas dentro da boca, dando a entender que tal doença tem diferentes níveis e a grande questão é o ego: Quais genes desta doença permanecerão enquanto os demais e diferentes, morrerão?
Além disso, o momento em que o protagonista tem de andar pois seu carro quebra e termina num pub onde todos o observam por ser um total desconhecido, aos meus olhos, remete às produções da Hammer. A taverna sempre foi um ponto de início para discussão/descobrimento ou ataque em massa do mal em inúmeras obras da produtora inglesa. E nos momentos finais, a obviedade da ação básica de um vampiro é questionada/apresentada, o que é totalmente dispensável.
Longe da maestria e complexidade apresentada em Martin (1977), merece ser assistidos por apaixonados pelo tema e curiosos. No mais, apesar dos pontos originais, não perca seu tempo.

Você confere o trailer abaixo:

E qual o pensamento que tirei sobre?
Assisti por quê assisto TUDO do gênero.
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...

terça-feira, 16 de agosto de 2016

"Quando as luzes se apagam" vai trazer de volta o seu medo de escuro da infância

À convite da editora DarkSide Books, nós marcamos presença na pré-estréia do filme 'Quando as Luzes se Apagam' (Lights Out) em um Shopping da Avenida Paulista. Uma produção de um terror incisivo, baseado em um curta de David F. Sandberg, e produzido por James Wan (Invocação do Mal 1 e 2).
Com um roteiro simples e original, aliado a uma técnica apurada de som e edição, 'Quando as Luzes se Apagam' consegue ser uma daquelas produções que proporcionam uma experiência ao espectador, tornando quase que obrigatório de ser assistindo no cinema, perdendo grande parte do seu potencial se visto em home video.
Quando Rebecca saiu de casa, ela pensou que deixaria seus medos de infância para trás. Enquanto crescia, ela nunca teve realmente certeza do que era e não era real quando as luzes se apagavam…Agora é seu irmão mais novo, Martin, que está enfrentando os mesmos eventos inexplicáveis e aterrorizantes que antes testaram a sanidade e ameaçaram a segurança dela. Uma entidade assustadora com uma ligação misteriosa com sua mãe, Sophie, ressurgiu. Mas desta vez, como Rebecca se aproxima da verdade, não há como negar que a vida de todos eles está em perigo… quando as luzes se apagam.
Em uma sessão que arrancou sustos, risos e até aplausos dos presentes, o filme conseguiu me reacender o interesse por um gênero que já me parecia engessado pelos clichês do estilo.
O filme tem previsão de estreia para 18 de agosto de 2016 aqui no Brasil, e é distribuído pela Warner Bros.
Confira o trailer abaixo:
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Filmes que deveriam ganhar sequências nos quadrinhos

Nas últimas semanas fomos surpreendidos pela boa notícia de que o filme de vampiros Os Garotos Perdidos (The Lost Boys) de 1987, finalmente vai ganhar uma sequência digna (os dois filmes seguintes lançados diretamente para DVD não contam) nas páginas dos quadrinhos pelo selo Vertigo, da DC Comics. E o mesmo tratamento já foi anunciado para clássicos como "De Volta para o Futuro", "Bill & Ted", e até um fantástico crossover entre "Os Aventureiros do Bairro Proibido" e "Fuga de Nova York".
Essa tem sido uma jogada genial por parte dos editores que assim estão reativando títulos fortes, com fãs pré-conquistados, em uma mídia bem mais barata e fácil de produzir. Diferente dos filmes, os quadrinhos não tem custos com estrelas do cinema, nem gastos com efeitos especiais, além de oferecer uma liberdade criativa de roteiro ilimitada.
Nas HQs essas franquias estão encontrando possibilidades infinitas de explorar novas ideias e personagens. E para acompanhar essa tendência, separamos aqui algumas sugestões de filmes que estão prontos para retornar nos quadrinhos:
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...

domingo, 14 de agosto de 2016

7 Livros para ler junto com o seu pai

Se você ainda guarda com carinho as lembranças daqueles momentos em que o seu pai lia para você quando criança, então reconhece o valor de compartilhar um bom livro com seu velho, e não tem porque cessar esse hábito com o avançar da idade. É claro que ele não pode mais te contar histórias para dormir, mas isso não significa que vocês não podem mais ler livros juntos. Na verdade, agora que você é mais velho, isso significa que existe uma variedade maior de títulos que podem compartilhar, e, melhor ainda, conversar a respeito no final da leitura.
E apesar de alguns clichês sobre relacionamentos entre pais e filhos serem leituras ideais para esse momento, você não precisa necessariamente limitar as escolhas de gêneros que podem desfrutar juntos. Afinal, até mesmo histórias com grandes tragédias familiares podem inspirar a relação entre ambos. E no caso de precisar de uma ajuda, aqui estão algumas sugestões que vocês podem dividir.
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...

sábado, 13 de agosto de 2016

Preso em um livro

Mais uma vez o designer Grant Snider usa os seus quadrinhos para traduzir em imagens todo tipo de sentimentos e passagens possíveis na vida de um amante de livros. Dessa vez ele usou a sua arte para retratar aqueles momentos em que estamos profundamente absortos em uma leitura.
Confira abaixo o resultado dessa tira, ousadamente traduzida pelo DpM:
Veja Também:
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...