sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

7 Livros para ler após assistir '50 Tons mais Escuros'

Depois de tantas calcinhas molhadas pela trilogia de 50 Tons de Cinza, abre-se um novo precedente na leitura feminina: as histórias eróticas que envolvem dominação, submissão, sadomasoquismo e, claro, romance. O enredo mais picante permitiu que pudéssemos imaginar o real sentido da expressão “vale tudo entre quatro paredes”.
E.L. James criou Christian Gray e Anastasia Steele, um casal que passa por descobertas e experiências que envolvem os desejos de um dominador sádico e arredio a relacionamentos e uma mulher até então bem ‘comum’, que vai cedendo as vontade dele, na mesma proporção em que encontra prazer em servi-lo à sua maneira.
A dominação e a submissão é uma forma de fetiche muito difundida em conceitos presentes no estilo de vida BDSM. A sigla é um acrônimo para os termos bondage, dominação/disciplina, sadismo e masoquismo. Esses padrões de comportamento são mais expostos neste segundo filme da série, que já levou quase 3 milhões de espectadores para as salas de cinema.

Não que a autora tenha criado uma nova categoria nas livrarias. Os romances eróticos já eram difundidos, desde 1975, em coleções como ‘Sabrina’, ‘Bianca’ e ‘Júlia’, livros que eram vendidos em bancas de jornal e traziam contos eróticos. Nos anos 90, a obra de Hilda Hilst passa um aprofundamento na proposta de literatura obscena, com histórias sexualmente explícitas, como em ‘O caderno rosa de Lori Lamby' (1990), que narra casos de incesto. Não esquecendo também do 'A Casa dos Budas Ditosos', de João Ubaldo Ribeiro, já considerado um clássico do gênero.
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Músicas que você não sabia que foram baseadas em livros

A relação cultural entre a música e a literatura sempre foi bem estreita. Existe diversas canções que começaram como meros poemas, álbuns inteiros inspirados na obra de um único livro, algumas bandas que tiraram o próprio nome da literatura, e até alguns livros que possuem a sua própria trilha sonora.
Aqui separamos algumas músicas que você nem imaginava que foram baseadas em livros, mas como ambas as culturas são vivas e estão em constante expansão, imagino que esse assunto irá render muitas outras listas como essa futuramente.
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Dois casos que impactaram o cenário nacional, dissecados em uma edição da DarkSide Books

O assassinato do casal Richthofen e de Isabella Nardoni foram reunidos em um só livro e trazem novos detalhes observados por quem estava nos bastidores. A criminóloga Ilana Casoy, em CASOS DE FAMÍLIA: ARQUIVOS RICHTHOFEN E ARQUIVOS NARDONI, abre pela primeira vez seus cadernos de anotações utilizados durante a pesquisa na Polícia Civil, Científica e Ministério Público dos dois crimes, tudo isso com a qualidade quase psicopata de edição, uma marca registrada de todos os títulos da DarkSide® Books.
Em “Arquivos Richthofen” o leitor vai acompanhar o comportamento dos três assassinos — as contradições e os erros decisivos; a distância de Suzane ao relatar os fatos, o descontrole de seu namorado Daniel na reprodução simulada do crime, os depoimentos e técnicas de investigação da polícia, dos médicos legistas, peritos e especialistas, que não deixaram outra alternativa aos culpados que confessar os assassinatos brutais. A grande novidade fica por conta da transcrição inédita do emblemático debate entre acusação e defesa, com o objetivo de oferecer os detalhes do julgamento nunca publicados.

Em “Arquivos Nardoni” o mergulho é em um dos casos criminais mais polêmicos já ocorridos no Brasil, que contou com um qualificado trabalho da polícia técnico-científica — única “testemunha” do crime. Ilana reconstrói os cinco dias do julgamento de Alexandre Nardoni e Ana Carolina Jatobá, pai e madrasta de Isabella de Oliveira Nardoni, condenados pelo assassinato dela. A autora foi colaboradora do Ministério Público, que, com a ausência da confissão dos réus, trabalhou com provas periciais irrefutáveis para confrontar a versão do casal no tribunal do júri.
A pedido da editora, Ilana Casoy mergulhou em suas anotações particulares para mais uma luxuosa reedição de suas obras, incluindo os inéditos fac-símiles de seus cadernos secretos.
Primeira autora nacional da DarkSide®, Ilana traz para seus leitores o mistério desvendado de comentários originais dela mesma no calor dos acontecimentos e descobertas. Além de acompanhar passo a passo o rumo das investigações e julgamento dos assassinos que romperam a linha da lei e do sagrado, os sentimentos e dúvidas da autora ficam agora expostos ao público.
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...

sábado, 7 de janeiro de 2017

Escritores e personagens que odiavam a humanidade

A 'misantropia' é popularmente conhecida como uma espécie de aversão à humanidade, um comportamento explicado mais detalhadamente na Wikipedia com a etimologia da palavra que é formada por duas outras: miso e anthropos, que juntas formam o termo "Eu odeio o ser humano". 
Uma análise mais profunda pode revelar que escritores como Emily Dickinson, Jonathan Swift, Marcel Proust, HP Lovecraft ou JD Salinger e até mesmo personagens fictícios, como Sherlock Holmes, o Sr. Edward Hyde e Hannibal Lecter possuíam traços fortes de misantropia em suas personalidades.
E para demonstrar esse fato, nada melhor do que analisar as citações mais famosas dessas ilustres personalidades, e tirar nossas próprias conclusões.
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

5 Livros que misturam sexo e terror

É sempre complicado chegar à um denominador comum quando tentamos correlacionar dois gêneros tão adversos, como nos parece o 'sexo' e o 'terror'. Mesmo extraindo suas essências de fontes tão diferentes, em muitos momentos o prazer e a dor se encontram incidentalmente, causando deliciosas descobertas para aqueles que sabem apreciar a beleza dessa fusão. O resultado é um conceito que beira o fetichismo, inspira a comunidade BDSM, e que agrada a aos paladares mais excêntricos.
Para explorar esse terreno desconhecido, indicamos aqui alguns títulos que flertam com esses dois gêneros, e que são capazes de arrepiar todos os pelos do seu corpo.
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...

domingo, 1 de janeiro de 2017

Como saber se você está sofrendo de uma ressaca literária.

Apesar de soar um tanto agressivo, o termo 'ressaca literária' é usado para definir aquela sensação de vazio que nos consome após o término de uma leitura intensa. Acontece sempre que um livro fala tão alto dentro de nossas mentes, que ao chegar ao seu final nos vemos perdidos e desorientados, sem sabermos o que ler em seguida.
Para aprender a identificar os sintomas de uma 'ressaca literária', indicamos aqui alguns sinais nítidos de que você tomou um porre de literatura.
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Conheça um pouco mais do famoso filme Christine - O Carro Assassino

Você já ouviu a expressão “Não faça do seu carro uma arma”? Pois bem, esse alerta deveria ser levado muito a sério em alguns filmes de terror/horror. É bastante interessante analisar isso, pois existe muitas produções do gênero que se utilizam dessa situação para conduzir cenas de desespero, perseguição e claro, morte.
Automóveis sem dúvida sempre foram e sempre serão uma paixão unanime do povo brasileiro, não somente por ser um meio de locomoção, mas também por ser algo que cada dia mais o brasileiro não consegue ficar sem, dessa forma, se tornando até mesmo para alguns uma forma de status social, pois muitos se recusam a andar de transporte coletivo. Porém sabemos que na mão de alguns o carro também pode ser uma arma perigosíssima, ainda mais daqueles que não fazem manutenção básica antes de uma viagem longa ou que bebem antes de dirigir, com isso é sempre necessário, trocar pneu, óleo, ou mesmo, saber mais informações sobre o filtro de ar, pois são algumas formas básicas de cuidado que deve-se tomar antes de pegar uma estrada.
Principalmente porque muitas dessas manutenções se tornam cada vez mais simples com tantos vídeos espalhados pela internet, que ensinam como fazer manutenções. O que para muitos antigamente somente um mecânico era capaz, hoje, com alguns minutos, você pode ser encontrada aqui para dar uma boa checada antes de sair com seu carro.
É pensando nesse universo automotivo, que a indústria do cinema não para de lançar a cada ano, centenas de filmes com temática de carros, como a famosa franquia de sucesso Velozes e Furiosos, que nos mostra como é fácil conseguir uma legião novos fãs.

No terror não é nada diferente, muitos cineastas do gênero aos longos dos anos experimentaram essa paixão por veículos para conduzir histórias assustadoras, fazendo com que até mesmo um dos grandes nomes do cinema como John Carpenter carregue em seu currículo um filme com essa abordagem. 
Baseado na obra de Stephen King, o longa Christine - O Carro Assassino (1983) acompanha a história do “personagem título” que na verdade é um clássico carro modelo Plymouth Fury de 1958 que não está em seus melhores dias. Seu jovem dono Arnie Cunningham (Keith Gordon) triste em ver a situação que se encontra o velho carro, acaba decidindo restaurá-lo. O que aparentemente parece ser uma decisão acertada, mas que acaba se tornando um grande erro, sem que possa imaginar o veículo carrega uma força sobrenatural com que afasta tudo e todos de sua volta, aqueles que se atrevam cruzar seus caminhos são eliminados.

Você deve imaginar que isso é apenas uma história de filme, correto? Muito pelo contrário, essa história é muito mais bizarra do que você pode imaginar, pois o carro que inspirou o livro de Stephen King, o GoldenEagle, o carro amaldiçoado existe realmente. Segundo registros três únicos policiais que conduziram o tal veículo morrem em circunstância estranhas. Todos os três praticaram assassinato de seus familiares seguidos de suicídio.
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...