sábado, 4 de setembro de 2010

Infância com Dinâmica

sábado, 4 de setembro de 2010
Parece que a Nova Ordem Mundial (NOW) percebeu que implantar a tentativa de dominação mental global durante o período escolar tem sido um sistema ineficaz, baseado nisso, eles resolveram começar esse processo bem mais cedo, ainda na infância do indivíduo. Eles querem te deixar tão preocupado com o que seu filho possa vir a ver ou ouvir através dos meios de comunicação, que você tem deixado passar batido o que foi escolhido para ser transmitido para o seu filho.
A programação atual destinada as crianças tem me parecido uma espécie de lobotomia que visa transformá-la em um passivo zumbi vivendo em um mundo colorido de esperanças infindáveis, onde você poderá realizar todos os seus sonhos com seu grande amor ao lado e empunhando uma caixa de lápis de cor, qualquer coisa fora desse padrão pode ser considerado um erro na Matrix. O inesperado efeito colateral de tudo isso, são adolescentes que entram em desespero perante um simples término de namoro ao não saberem lidar com algo que fuja do planejado, e acabam cometendo alguma estupidez absurda que logo será noticiada no programa do Datena : “Jovem inconformada com fim de relacionamento, esfaqueia ex-namorado na sala de aula!”

A minha infância já começou perigosa, porque nascer logo após a aprovação da emenda da lei do divórcio, dificultava um pouco em se ter pai e mãe por perto ao mesmo tempo. Para você que é novinho e nem sabia que houve um tempo em que o divórcio não era uma opção, eu ouvi falar que quando foi aprovada essa emenda no Brasil, os homens comemoraram tanto que as mulheres chegaram a pensar que era alguma Copa do Mundo fora de época. Para piorar essa situação, nesse período, assumir a paternidade sim, era algo opcional.

A minha geração foi disciplinada a base de dinamite, alem dos nossos hormônios e das espinhas em nossos rostos, várias outras coisas estavam explodindo pelo mundo naquele período, tínhamos que ficar ligados, pois se piscássemos podíamos perder alguma coisa. O fim da ditadura militar e da guerra fria, a queda do muro de Berlim, o boom das telecomunicações, a desconstrução da música e até a súbita saída do Cazuza do Barão Vermelho, nos mostrava que precisávamos estar preparados para qualquer tipo de eventualidade, a qualquer momento poderíamos receber o chamado para a missão, e com muito gosto amarraríamos uma faixa vermelha na cabeça, e armados com uma faca na bota e um canivete suíço no bolso, tal quais nossos heróis, estaríamos dispostos a encarar qualquer aventura.
Sentíamos que as regras não se aplicavam a pessoas como nós, elas sempre estavam ali para serem quebradas. Em nossas mentes ataques de ninjas e vietcongues eram ameaças constantes da nossa rotina, éramos os escolhidos para viver uma aventura em algum bairro proibido, onde resolveríamos qualquer problema com um chiclete e um pouco de fita adesiva, feito o Macgyver, enfrentaríamos exércitos inteiros sozinhos, ao melhor estilo Rambo, se algo desse errado sempre podíamos tentar concertar as coisas voltando no tempo com o DeLorean, e caso não ficássemos com a mocinha no final, não entrávamos em pânico, porque sabíamos que existiria sempre uma nova mulher em perigo a ser salva no final da próxima aventura de uma possível parte dois.

Todas as informações que absorvíamos nos avisavam repetidas vezes que o mundo não era para amadores, e você teria que provar ser merecedor de estar pisando nele. Qualquer semelhança com a nossa realidade, não é mera coincidência...
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Comentários
9 Comentários

9 comentários :

  1. Adorei meu amigo, apesar de não ter sentido metade disso, adorei, vc é muito bom com as palavras, assumo a responsabilidade de dar uma babadinha por aqui hehe.
    Muito bom mesmou viu. te amo beijos

    ResponderExcluir
  2. Seria impossível não adorar esse post.
    Posso agradecer a minha família [principalmente ao meu tio] por ter me feito ver o mundo como você o descreve aqui: uma enorme aventura para a qual você deve se provar preparado.




    ;*

    ResponderExcluir
  3. A geração que me enquadrajm não tem consciência do quão complexo foi o processo que a sociedade brasileira passou ao longo dos anos. Eu sinto que vivemos em uma apatia derivada de um conforto e uma aparente estabilidade que a sociedade vive. APARENTE. O senso questionador do ser humano, principalmente do jovem se apagou diante das possibilidades de consumo... [Consumir não é ruim, que fique bem claro.] O que me preoculpa é que são poucas as pessoas que possuem um senso crítico para apurar as informações dadas. O espirito questionador que deveria existir na juventude não mais se faz presente... A apatia e má qualidade da escola pública é isso. O enfraquecimento do movimento estudantil é outro. Sinceramente isso me entristece e me faz pensar se nasci na época certa.... Enfim!
    Gostei particularmente desse texto. Me deu o que pensaar

    ResponderExcluir
  4. Só discordo quanto à dominação mental. Isso é tudo fruto da grita da patrulha do Politicamente Correto.

    Por exemplo, recentemente até o Ministério encanou com o Pica-Pau, que é um desenho antigo.

    Isso sem falar das campanhas de confisco de armas DE BRINQUEDO!

    ResponderExcluir
  5. Que fofo!
    Esse post justifica seus distúrbios mentais (com tantos traumas na infância!).

    Amei Maldito!

    ResponderExcluir
  6. Eu fico com medo, nasci nesse período intermediário entre o mundo das descobertas e o mundo do tudo-pronto... é assustador...
    Mas amei o texto, me fez viajar pra essa época que você descreve...

    Eu bem queria o DeLorean rs

    Se cuida!

    ResponderExcluir
  7. Hoje em dia as coisas são muito mais fantasiosas.

    É complicado ir se desprendendo desse mundo fácil, que a gente acaba vivendo sem prestar atenção.

    Bjo

    ResponderExcluir
  8. Salve salve Maldito,putz mudou o lay,não passo aqui faz tempo hein...Gostei uai,hum,vi a foto dos Goonies e resolvi ler,adorei a colocação do estado de guerra,não vou ficar enchendo linguiça,hehhehehe.Beijos e tudo de bom pra ti...

    ResponderExcluir