quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Honestidade sem vergonha

Essa minha mania de acordar cedo por mais que a noite tenha sido de extrema agitação para aproveitar melhor o dia nas viagens nos fez ser um dos primeiros a chegar ao salão do café da manhã da pousada, o que é uma vantagem incidental, a última coisa que eu queria ao acordar é ter que dar “Bom dias” por educação a esmo para os outros hóspedes, não acho que o fato de estarmos hospedado no mesmo estabelecimento nos torne íntimos o suficiente para trocarmos comprimentos matinais, além de eu não conseguir articular bem as palavras antes de tomar o primeiro cafezinho da manhã e as pessoas podem pensar que estão falando com o Mutley.
Após tomar meu café pra fumar voltamos ao quarto antes que as outras mesas fossem preenchidas e o salão da pousada fosse tomado por famílias com crianças. No trajeto para nosso aposento temporário, em uma das áreas coletivas da pousada, um amontoado de latas de cerveja demonstrava que mais alguém por ali se esbaldou na noite anterior, talvez mais do que devia, porque um celular Nextel fora abandonado em uma mureta indicando que o grupo saira sem muita direção após a bebedeira. Me orgulhei do meu trabalho de detetive e olhei ao redor para me certificar que nenhum outro transeunte tenha feito as mesmas associações, peguei o aparelho e dei uma boa inspecionada, coisa fina, top de linha, com teclado alfanumérico, e tantos recursos quanto uma cafeteira moderna. Tentei ligá-lo sem sucesso, a bateria estava esgotada, e antes mesmo que eu pudesse raciocinar sobre a minha próxima ação ela falou:
-Deixa isso aí que quando o dono acordar vai sair doido atrás desse celular, parece ser caro.
Virei minha cabeça lentamente até que meus olhos cruzassem com o olhar repreendedor da minha mulher. Eu poderia citar a desculpa clichê de que “Achado não é roubado e quem perdeu foi relaxado”... no caso bêbado, mas estava claro que não funcionaria, ela apresentaria um contra-argumento e logo em seguida eu faria o mesmo, e tudo isso levaria tempo suficiente para o dono acordar e sair na caça do seu aparelho. Então coloquei o celular de volta a mureta e apenas pestanejei.
-Tenho certeza que se fosse o meu celular, ninguém perdoaria assim esse meu descuido alcoólico!
Da janela do nosso quarto eu ainda podia manter o celular duplamente perdido sobe o meu campo de visão. Mentalmente eu contava um prazo para que o proprietário o resgata-se antes que esse meu surto imposto de bom cidadão escorre-se por água abaixo.
A porta do quarto ao lado da mureta se abriu e um jovem cambaleante saiu se apoiando nas paredes, ele lavou o rosto no tanque externo da pousada e antes que pudesse enxugá-lo uma voz feminina estridente se projetou do quarto chamando-o, provavelmente sua namorada que continuava preguiçosa na cama. Ele voltou para dentro ainda ressacado, andando como se estivesse todo borrado em sua bermuda da moda para atender o chamado da mulher. E pela terceira vez o celular se perdeu.
Continuei de campana na janela ainda lamentando a oportunidade perdida, mas não demorou muito para que uma loira vestida apenas com um short jeans e a parte de cima de um biquíni desviasse a minha atenção, e então desejei que ela também estivesse perdida, ou ressacada, para que eu pudesse achá-la. Ela se deteve por alguns instantes durante seu caminho e pensei que pudesse ter me encontrado na janela com o olhar perdido em seu corpo, mas foi o celular perdido que a deteve. Reproduzindo meu gesto, ela conferiu ao redor e sem nenhuma hesitação não deixou o celular se perder uma quarta vez, pegou o aparelho e o comportou entre seus peitos, depois acelerou os passos para longe dali .
Suspirei frustradamente , desmontei a tocaia, e me envergonhei da minha honestidade, que me fez perder para a loira oportunista.

Quando saímos do quarto para finalmente aproveitar o resto do dia topamos com o jovem “borrado” que vasculhava desesperadamente a área, ele remexia na pilha de latas de cerveja e até mesmo dentro dos lixos. Ele nos viu e questionou:
-Com licença, mas vocês viram um celular Nextel por aqui?!
Encarei minha companheira que claramente deixara a pergunta para ser respondida por mim, e retruquei:
-Não companheiro, mas seja lá o que tenha acontecido com ele, tenha certeza que é culpa da mulher.
-Da minha mulher?
-De todas elas...
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Comentários
8 Comentários

8 comentários :

  1. Oi , tudo bem? Vim agradecer sua visita no blog Templo da Sintonia, adoramos viu? Lá escrevo junto com a minha amiga Neguinha.
    Gostaria de aproveitar e te convidar a visitar meus dois blogs pessoais e me seguir caso queira ta?
    Adorei seu cantinho e ja estou lhe seguindo para vir sempre aqui.
    beijos.

    http://deliriosdamiss.blogspot.com/

    http://cantinhodamissrj.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Olá moço das letras. Passei para uma visita rapida, e gostei da sua apresentação. Mercenário que só, né ?srsr... Mas tudo bem, vc tem até o dereito de o ser, pq vai que alguém se beneficie das coisas por aqui, não é ?
    Voltarei para ler seus textos com mais calma. Estou na correria louca de fim de ano, cê sabe como é ?

    Gostei do seu formato, o bom humor sempre presente, legal isso.

    Deixo umas beijokas e até mais ver...

    flor de cristal{LB} .

    ResponderExcluir
  3. rsrsrsrs... isso tudo é vdd msmo? kkkk acho q eu entregava a peituda só de raiva...kkkkkk

    ResponderExcluir
  4. UAHSUAHSAUHS'
    Ô racinha desgraçada essa nossa. O ser humano nem disfarça a desonestidade, coisa discarada. Bem feito pro bêbum que se esparrama e depois não quer sair no preju.
    Gostei muito do post. Tua mulher já leu?
    Espero ver seu livro publicado logo. TORCENDO AQUI!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Hahahaha! Adorei.

    *Também não gosto de distribuir "bom dias". Principalmente pra quem não conheço.
    beijos.

    "Espero ver seu livro publicado". Ah, sério? Avisa aqui, qualquer coisa. Ando meio distante do blog, mas já estou voltando e também quero ver o livro publicado! haha

    ResponderExcluir
  6. Se fosse comigo, eu teria levado o celular pra recepção da pousada, ia continuar boa cidadã que sou ;-)

    ResponderExcluir
  7. Aff, os 'bom dias' são mesmo terríveis! A cara de bons amigos qu3e temos de fazer!

    Sobre o telefone,eu gritava pra loura "larga meu telefone!".

    è bom ler o que corriqueiros fatos se tornam ótimos episódios!

    ResponderExcluir
  8. ahahahahhahahahahaahhaahhaahah... nossa me vi nessa situação e com certeza eu agiria como sua mulher, mas levaria para a recepção o aparelho. ahahhahahaha... Mas pense bem, vc faz uma coisa esperando que façam o mesmo com vc, isso é bom, vai...ahhh se não fossemos nós nas vidas de vocês hein...kkkkkkkkkk

    ResponderExcluir