quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Pergunte ao Pó - O clássico de John Fante

A indústria cinematográfica avança com tanta velocidade que está chegando ao ponto de atropelar alguns dos seus próprios seguimentos. Um bom exemplo disso são os roteiros que não conseguem acompanhar o ritmo das produções que são lançadas em larga escala.
Uma saída encontrada pelos tubarões do ramo são as adaptações de livros e quadrinhos que infestam as salas de cinema. Afinal, está tudo pronto ali, é só pegar e filmar,... Mas mesmo com essa mamata toda de ter uma história já com um sucesso consolidado nas mãos, nem sempre os caras acertam.
Hoje se leva mais tempo para se ler um livro do que para se produzir um filme com o seu conteúdo. E se você, assim como eu , é do tipo que perde o interesse no livro após já ter visto sua trama projetada na tela,... deve compreender o drama da situação.
Aos desolados, resta correr contra o tempo para absorver as palavras do livro antes que as imagens digam suas versões editadas nos filmes e ainda com o risco de ter uma decepção ainda maior tentando entender que para Hollywood a palavra ‘adaptação’ também significa ‘sem o menor compromisso com o original.
Eu enrolei até agora com esse papo todo só pra dizer que eu recentemente consegui a rara façanha de ler um livro antes de ver seu filme. Aconteceu com o clássico ‘Pergunte ao Pó’ de John Fante, também autor de Espere a Primavera Bandini que já li e recomendei aqui no blog.
Mais do que uma habitué falta de compromisso com o original, o filme resolveu reconstruir a história criando uma nova visão sobre o enredo e recriando o seu final, limitando a semelhança entre ambos a somente o título e os nomes dos personagens.
De certa forma isso não tira o mérito do filme que mesmo contando uma nova história, ainda consegue manter a identidade do autor, ou seja, mesmo sendo ‘adaptado’ para atender os padrões do mercado, acho que o velho Fante aprovaria essa visão de sua obra.
E como resultado ficamos com duas excelentes histórias , com finais independentes e que valem a pena ser vistos e lidos.

O Filme

Foi produzido por Tom Cruise e  dirigido por Robert Towne (ganhador do Oscar por Chinatown), alem de contar com Salma Hayek e Colin Farrell como protagonistas. Uma história erótica de amor sensível que mergulha nas profundezas do desejo de um homem confuso na busca de seu sonho de se tornar escritor, mas sem inspiração Arturo perambula pela cidade sem trocados no bolso a procura de uma boa história para o seu primeiro livro.
Até que o Café onde Camilla trabalha dá início a uma relação baseada em mútuo desejo, desprezo, ciúme e insultos.


O Livro



O livro conta a história do alterego do autor, o escritor Arturo Bandini. Filho de imigrantes, o protagonista é um jovem pretenso a escritor que se sente excluído da sociedade. Ele quer escrever sobre a vida e o amor, mesmo não tendo muita experiência sobre ambos, e se apaixona por Camilla, que ama outro homem. O romance se passa na Los Angeles da década de 1930.

Fante é um dos mais importantes nomes da literatura americana e sua obra é reconhecida como a maior influencia da geração beat.



Como o DVD do filme está em falta, eu te perdoo se você fizer o download em um site qualquer da vida, mas pra conhecer a história original dessa obra literária tem que clicar agora no banner do nosso parceiro Seu Saraiva e comprar esse clássico.

Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Comentários
1 Comentários

Um comentário :

  1. Eu só assisti o filme e achei bem bacana mas meu namorado assistiu o filme e leu o livro e não fugiu à regra de comentar o tempo todo como o livro não tinha nada a ver com o filme rsrsrs

    Esta questão de um ser diferente do outro às vezes é positivo e ás vezes negativo.

    Se você é fanático pela história como é o caso dos fãs da série x-men soa como uma ofensa o filme não seguir o roteiro.

    Se é algo não tão conhecido no qual o filme é "baseado" apenas no livro é interessante porque você fica curioso pelo final alternativo.

    ótimo post como sempre!

    Adorei!

    ResponderExcluir