sexta-feira, 5 de julho de 2013

Aprendendo a lidar com a rejeição

Amando você mesmo em primeiro plano e em segundo plano também

Cara, não tem jeito, uma hora ou outra vem alguém e faz você pensar que é um grande bosta. Ou melhor, vem alguém tentando te rebaixar, te foder, fazer você pensar que é, mas aí entra em campo o tema central de nosso texto do dia: aprender a conviver numa boa com as rejeições.
Na profissão de escritor (olha que chique mamãe!) eu apanho mais do que quando era aspirante a pugilista, talvez por não possuir nenhuma formação acadêmica (será...?), talvez por ser interpretado na sombra dos meus personagens e textos mais estranhos, eu não sei bem o que ocorre (fora a questão de não ser comercial). Meu amigo Ernesto fala que eu preciso aparecer mais, botar a cara em eventos, palestrar, fazer mais lançamentos, me aproximar das pessoas na internet. Isso possivelmente afastaria o estigma da rejeição, segundo ele. A questão é que eu moro nos confins do subúrbio carioca, em uma área violenta pra cacete, trabalho feito louco, e a grana curta me impede certas estripulias sociais para alimentar o instagran do cu digital de alguém. - NÃO DIGA ISSO, VÃO TE REJEITAR DE VEZ, APAGUE O PALAVRÃO!! Calma Ernesto... Calma...  A verdade já não é uma flecha no meu peito há muito tempo. E o palavrão é uma palavra, um texto é feito com palavras.          
O lance é que a rejeição virá de qualquer maneira. Veja bem, se eu aparecesse em todos os eventos e conversasse amistosamente com todos (amigão das galáxias) logo viria alguém me rotulando de “farofa da festa”, assim como rotulam a estranheza do meu sumiço e “distância”. A velha história da garota acuada que se trepar é puta e se não trepar é santinha (ou lésbica). 
Se você é belo, está na mira de alguém. 
Se for feio, está na mira de alguém. 
Se for péssimo, está na mira de alguém. 
Se for bom, está na mira de alguém. 
Se for calado, está na mira de alguém. 
Se falar demais, está na mira de alguém. 
Você está na mira, cara, aceite essa porra e seja um alvo feliz. Você está na mira! 
Lembra na escola? Puta merda como eles eram cruéis... E eram só os filhotinhos, agora estão adultos! Você precisa se gostar, se amar, tocar o foda-se e entender que a rejeição começa na aceitação do rejeitado. Não aceite a rejeição como algo a ser relevado, siga se amando, se gostando, e fazendo de sua vida pessoal o seu maior patrimônio. Você, meu amigo, não é um boneco, um idiota que precisa provar algo com fotos e penduricalhos e nada disso aí.  Você precisa entender que as pessoas possuem seus vazios existenciais, e pra isso precisam sentir que suas vidas são melhores, superiores a sua. Precisam acreditar que julgam melhor, escrevem melhor, cantam melhor, trabalham melhor, enfim... Julgar o vizinho torna-se antídoto eficaz do idiota contra o suicídio.
Vá viver sua vida e esqueça essa papagaiada de agradar o júri. Vá viver do seu jeito.

(Beba duas taças de um bom tinto seco e ouça a música abaixo repetidas vezes. É um mantra.)


Conheça um pouco mais do trabalho do nosso colunista Allan Pitz no livro 'Estação Jugular'. Clique no banner abaixo e confira!
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Comentários
0 Comentários

0 . :

Postar um comentário