domingo, 21 de julho de 2013

Cinco ​​mortes sangrentas e notáveis na literatura

Quando a literatura flerta com a morte, na maioria das vezes, ele é apresentada como algo bonito tal qual o sacrifício de um cavaleiro valente, o suicídio romântico de um amante, ou a despedida de uma pessoa idosa. Mas para fazer o estilo 'maldito' do blog, nesse texto vamos procurar focar em um outro tipo de morte literária. Você sabe,... Aqueles atos sanguinários, obscuros e covardes que nos provocam arrepios na espinha.
Foi com esse espírito assassino que eu montei o que acredito ser os cinco atos memoráveis ​​mais perturbadoras de homicídios na literatura. Obviamente, esta lista está incompleta - apesar dos meus esforços incansáveis, eu ainda não consegui ler todos os livros que já adotaram o gênero. Eu escolhi especialmente os momentos que me chocaram de alguma forma, ou que, mesmo sem ter lido o livro, eu conheço a cena perturbadora por outras mídias.
Portanto, advirto a todos que há um monte de relatos chocantes a seguir. 
E, inevitavelmente, este artigo contém SPOILERS. Se você não quiser saber o que acontece nas histórias dessas obras , pare de ler agora.

MOBY DICK de Herman Melville
O final do grande livro de Melville representa basicamente um empate entre a Baleia e o seu caçador. Mas, a verdade é que o clímax é o grande vencedor desse embate. Ahab finalmente arpou a enorme baleia branca, uma obsessão que acabou por destruir sua vida. Infelizmente, a vitória do capitão durou pouco, já que o animal letalmente ferido parecia saber que a lança fincada ao seu corpo ainda estava conectada ao seu agressor:
"... A baleia atingida voou para a frente em velocidade, levando junto a corda presa ao seu corpo; Ahab inclinou-se, mas a linha pegou pelo seu pescoço, e ele foi puxado para fora do barco..."
Ser puxado para o fundo do Oceano por um bicho que pesa toneladas, faz qualquer um repensar seus hábitos alimentares em relação a frutos do mar.

Um Conto de Duas Cidades de Charles Dickens
Romance da Revolução Francesa, um clássico repleto de corpetes apertados e cabeças decepadas. E enquanto sua cota de sangue termina com a morte memorável e poética de Sydney Carton, é essa descrição anterior de um povo obcecado com suas Guilhotina, que fica na cabeça:
"Foi o tema popular para brincadeiras, era o melhor remédio para dor de cabeça, infalível contra o surgimento de cabelos grisalhos, ela concedeu uma delicadeza peculiar à tez, foi a Navalha Nacional, que raspou perto. Quem beijou La Guillotine, olhou através da pequena janela e espirrou no saco... Ela arrancou tantas cabeças, que o chão era poluído de um vermelho podre. "
Acho que eu falo por todos quando digo: Voilá

O Psicopata Americano de Bret Easton Ellis
Embora seja notório pela suas descrições detalhadas de assassinatos em série, a capacidade de 'chocar' deste livro pode realmente ser subestimada. Não acredita em mim? Então, confira esta passagem terrível do início da história quando o protagonista Patrick Bateman confronta um homem sem-teto:
"... Eu puxei uma faca longa e fina com uma borda serrilhada, e tendo muito cuidado para não matá-lo, empurrei talvez meia polegada da lâmina em seu olho direito, sacudindo o punho para cima, aparecendo instantaneamente a retina ... Seus olhos abriram, saíram de seu soquete e correram pelo seu rosto, e ele ficava piscando, o que faz com o que sobrou dele dentro da ferida sair fora em vermelho, cheio de nervuras de gema de ovo. Pego sua cabeça com uma mão e empurro de volta e, em seguida, com o polegar e o indicador seguro o outro olho aberto. Em seguida, corto as laterais abertas do globo ocular, e ele finalmente começa a gritar quando eu corto o nariz em dois ... "
Eu espero que você não tenha comido ovos esta manhã. Ou qualquer coisa, na verdade.

Macbeth de William Shakespeare
Este conto estridente de guerra entre clãs escoceses há muito tempo manteve-se como uma das mais sangrentas e escuras peças do bardo. E enquanto a maioria dos assassinatos ocorrem fora do palco, o sangue das vítimas é praticamente onipresente como uma manifestação física da culpa que os personagens sentem sobre suas transgressões. Sem surpresa, Shakespeare consegue fazer as descrições da cena de um crime ficar bonita, como quando o corpo de Duncan é descoberto por seus servos:
"Sua pele prata misturada com o sangue de ouro; 
E seus golpes expostos como uma violação da natureza 
Para a entrada desperdiçada da ruína: lá, os assassinos 
caminham com as cores do seu comércio, e seus punhais 
grosseiro manchados com sangue... "
Só mesmo Shakespeare para comparar um cadáver com um lindo dia de verão. 

Crime e Castigo de Dostoiévski
Este clássico russo apresenta um dos mais famosos assassinatos da literatura moderna. Na verdade, o "crime" do título - o golpe de machado do estudante Raskolnikov em uma agiota - permanece visceralmente perturbador mesmo 145 anos depois que foi publicado:
"Ele puxou o machado para fora e segurou com os dois braços, mal consciente de si mesmo, e quase sem esforço, quase mecanicamente, trouxe o lado sem corte para baixo em sua cabeça ... Como ela era tão pequena, o golpe caiu sobre o próprio topo de seu crânio. Ela gritou, mas muito levemente, e de repente caiu no chão, levantando as mãos à cabeça ... Então ele tratou de dar outro e mais outro golpe com o lado sem corte e no mesmo local . derramarem sangue feito um copo virado. Ele deu um passo para trás, e logo se inclinou sobre o seu rosto. Ela estava morta e seus olhos pareciam estar olhando para fora de suas órbitas. "
O uso do lado errado do machado dá todo o 'charme a mais' que a cena precisa.

Então meus caros leitores? Que grandes crimes literários eu perdi, ou esqueci? Me contem nos comentários!
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Comentários
0 Comentários

0 . :

Postar um comentário