sábado, 11 de janeiro de 2014

Os 5 Tipos de Pessoa que você pode se tornar após uma noite de bebedeira

Algumas pessoas não conseguem esconder suas caras de decepcionadas quando recuso alguma bebida alcoólica. Eu até me atrevo a tomar uma cerveja ou duas em um dia de muito sol, mas ficar bêbado e alterado, definitivamente, não é algo que me atrai. Claro, isso não significa que eu seja aquele chato estraga prazeres, estilo ex-fumante, que fica pregando contra a bebida no meio de um animado churrasco. Cada um com seu cada qual.
E por muitas vezes eu acabar sendo o único sóbrio em meio a uma noitada de bebedeira entre amigos, acho que posso dizer que acabei me especializando em observar, analisar, e até catalogar os tipos de alterações que recaem nas pessoas após algumas doses.

Os exemplos abaixo foram elaborados baseados em experiencias próprias e pessoas reais com quem tive o prazer de conviver e compartilhar uma mesa de bar (nomes preservados). Mas tenho certeza que, com algumas poucas variações, não são muito diferente de outros bêbados que você conhece.
O roqueiro Jim Morrison dizia que beber é como participar de um jogo de roleta russa, você nunca sabe quando a bala vai atravessar seu cérebro, mas quando isso acontece, aprendi que as pessoas acabam variando em pelo menos 5 tipos diferentes de características marcantes.

# 1. A Pessoa que quebra as coisas
Você sabia que beber afeta suas habilidades motoras? Claro que sabe. Provavelmente já derrubou pelo menos uma garrafa de cerveja ou o copo de alguém em alguma festa, certo?
De qualquer forma, isso ocorre porque o álcool afeta o seu cerebelo, uma parte do cérebro que controla o movimento muscular. Movimentos musculares começam como sinais do córtex cerebral que passam pela medula onde eles são influenciados por impulsos nervosos do cerebelo. E quando você está bêbado, ele não funciona direito. Assim, enquanto o seu corpo tenta enviar um sinal que diz: "Coloque a garrafa com cuidado sobre a mesa e aproveite a festa", o seu cerebelo bêbado-burro está sussurrando "Ei, aposto que você não consegue encher o seu copo e devolver a garrafa a mesa em menos de 10 segundos", levando seus músculos a agir de forma incorreta.
*Era aniversário de alguém que não sei dizer quem, o que posso afirmar é que estava mal acompanhado e de penetra na festa. E nesse tipo de situação, é fundamental uma certa discrição no ambiente. Uma constatação um tanto óbvia que desapareceu junto com o bom senso do meu amigo Noronha, após empanturrar-se de cervejas grátis.
-Noronha, pega leve! Tu já foi tantas vezes no bar encher o copo, que já tá todo mundo da festa de olho na gente. Nós não somos convidados dessa porra, temos que ficar aqui no canto só no sapatinho. Invisíveis, se possível. Espera o garçom passar aqui pra pegar outro copo, feito uma pessoa normal!
-Tá tranquilo Mourão. O cara que tá no balcão é meu chapa. conheço o Jurandir desde a época de moleque. Já resolvi esse problema. O Juras descolou uma garrafa só pra gente. Saca só.
De forma sorrateira, Noronha me exibiu a garrafa que trazia malocada com a mão esquerda enquanto a direita equilibrava seu copo cheio.
O plano seria perfeito se ele não tivesse calculado mal em devolver a garrafa vazia direto na bandeja do pobre garçom que, distraído e acostumado com o leve peso dos copos de plástico, acabou se desequilibrando e derrubando a bandeja na mesa onde estava o pai da aniversariante, provocando um verdadeiro strike com outras garrafas e derramando cerveja no colo do coroa.

# 2. A Pessoa que fala as coisas que não deveriam ser ditas
Sim, o álcool pode fazer de você um cretino fundamental, soltando frases que podem ser constrangedoras para você e seus amigos! Veja, o álcool afeta seu córtex cerebral, onde todos os tipos de coisas boas costumam acontecer. E quando você aditiva ele com um pouco de álcool, pode tornar-se mais falante, mas com menor poder de julgamento. Isso não é uma combinação impressionante? É como um elixir mágico que encolhe seu pau enquanto faz sua cueca ficar invisível. E quando isso acontece você tem o sujeito que diz coisas que não deveriam ser ditas.
*Eu achei que teria uma tarde relaxante de domingo quando fui convidado por um amigo para tomar uma cerveja em um boteco próximo e gastar o dinheiro da sua rescisão de contrato que exibia com orgulho após ter mandado o chefe enfiar o emprego dele lá onde o sol não bate. Era um dia de libertação para Afonso, que após dois anos sendo escravizado em um emprego que odiava, acabara saindo em grande estilo e ainda com todos os direitos pagos. Ele realmente estava se sentindo no topo do mundo naquele momento.
-Você tinha que ver Mourão! Amassei a porra da papelada toda, joguei na cara dele e mandei o velho muquirana enfiar tudo naquele lugar! É uma experiencia que todo macho da espécie humana deveria passar.
-Acredito em você, Afonso. Em cada palavra.
Enquanto conversávamos, quis o destino que adentrasse no recinto um casal de namorados cujo o cara era um ex-colega de trabalho e desafeto de Afonso. Considerado por ele um puxa-saco de primeira classe, e o culpado pelo patrão sempre saber dos seus atrasos no emprego que ele acabara de largar.
-Quer saber de uma coisa... Não tem mais como eu levar uma justa causa mesmo. Eu vou é ir lá e encher a cara daquele mané de porrada.
-Não me faça isso aqui, porra! Eu conheço o dono do boteco e moro aqui perto, vai dar a maior confusão pro meu lado- me virei e dei uma olhada rápida no casal para conferir se estavam seguros do outro lado do bar, e no intuito de acalmar meu amigo, acabei confessando aos sussurros - Além do mais, nem precisa fazer nada contra aquele bundão. O pobre coitado já é corno e não sabe. Eu peguei aquela mulher dele na sexta feira passada.
Nós rimos da situação e continuamos com a cerveja e petiscos.
Tudo teria permanecido em perfeita harmonia se, em uma ida ao banheiro, Afonso não acabasse cruzando com o sujeito que, se achando por cima da carne seca, não resistiu em soltar um sarcástico comentário pra cima do meu amigo.
-Poxa, que pena o que aconteceu com você lá no escritório, heim. O bom é que agora você vai poder dormir até mais tarde que é a única coisa que você parece saber fazer direito.
Já alterado pelo álcool, Afonsão nem deixou o puxa-saco formar um sorriso de vitória em sua cara de pau, foi logo soltando um grito em alto e bom som.
-Vai te foder seu chifrudo de merda! Tá vendo o meu camarada ali na mesa?! Pois fique sabendo que ele comeu a vagabunda da sua mulher na sexta feira passada. E se me lembro bem, foi exatamente aquele dia que você ficou fazendo hora extra pra puxar o saco do Seu Valdir! Então, prefiro estar desempregado do que trabalhar feito mula pra ser corno feito você.

# 3. A Pessoa que fica doente
Qualquer um que já tenha bebido muito sabe que um dos efeitos colaterais do consumo de álcool, é o vomito e mal estar. Os dois andam de mãos dadas. Aposto que você ainda lembra da última vez que teve que levar um amigo vomitado para tomar uma dose de glicose no hospital depois de uma festa. Sim, intoxicação por álcool.
*Foi em um desses dias que tem tudo para ser perfeito, em que você está com dinheiro no bolso, num lugar deslumbrante e muita disposição de farrear, que eu e Reginaldo saímos em uma noite de carnaval no bairro de Copacabana no Rio de Janeiro. Decididos a não retornar para casa desacompanhados, rapidamente fizemos uma parada estratégica na porta de uma conhecida boate perto da praia.
Ao verificar o cardápio de bebidas do lugar, fomos arrebatados pela inclusão do lendário Absinto que só há pouco meses atrás havia sido legalizado e recentemente liberado em todo território nacional. Mesmo não sendo apreciadores de drinks destilados, concordamos que não poderíamos deixar passar aquela oportunidade de bebericar a la fée verte (a fada verde), e provar seus supostos efeitos alucinógenos. Nem que fosse um simples copinho pra aproveitar enquanto podíamos pagar.
E não bastou mais do que isso para Reginaldo começar a passar mal e vomitar ali mesmo, em plena calçada na frente da badalada boate de Copacabana, eliminando de cara qualquer possibilidade de fazermos algum contato com as mulheres do lugar.
Por fim, alem de sozinhos, ainda tivemos que voltar pra casa a pé, já que eu não podia dar a garantia exigida pelos taxistas de que meu amigo bêbado não vomitaria no carro deles durante o trajeto.

# 4. A Pessoa que muda de personalidade
Você deve estar careca de saber que o álcool tem a capacidade de diminuir suas inibições, certo? Pelo menos é o que afirma o Ministério da Saúde. Veja bem, etanol afeta o sistema nervoso central, prejudicando alguns dos centros de julgamento do cérebro. E com as inibições em baixa, algumas pessoas se sentem livres para tornar-se alguma outra pessoa diferente. Você sabe o que quero dizer. De repente, aquele seu amigo que sempre foi um 'escroto', pode acabar, do nada, virando um cavalheiro para as senhoritas, quando ele nunca agiu assim antes. Ou vice-e-versa.
*A ocasião era uma comemoração pela bem sucedida apresentação de uma peça de teatro cujo a minha participação limitava-se a um discreto papel secundário, mas que garantia a minha participação nas excelentes festas que envolviam nosso grupo de atores. Dentre o qual, peço atenção para a jovem Sarita, uma garota que sempre me pareceu tão tímida e retraída quanto a sua personagem sonhadora interpretada em cena.
Em determinada hora da festa, me lembro de ter voltado do banheiro após uma longa mijada e encontrar a mesma Sarita em cima de uma mesa, trajando apenas sua saia recolhida até a altura dos joelhos, os respeitosos peitos a mostra, um copo de bebida erguido como se fosse a estatueta de um prêmio que acabara de conquistar como atriz, e cantando 'Milla' do Netinho em plenos pulmões. Para quem não conhece, música essa que foi um terrível sucesso nos meados dos anos 90.
Preocupado com aquilo tudo, não consegui me conter. Logo bronqueei a menina pedindo que ela parasse com a cantoria ou acabaria com a sua voz para a apresentação do dia seguinte.

# 5. A Pessoa que briga por tudo
Quando se está bebendo com um grupo de amigos, as vezes parece impossível que alguém consiga concordar com alguma coisa, e uma briga pode surgir até mesmo com a questão da escolha na comida que irá acompanhar as bebidas. Em especial para alguns homens, o álcool pode funcionar como uma dose extra de testosterona, e o sujeito acaba criando uma pré disposição inapta para arrumar confusão. E quando você menos espera, se vê a noite toda procurando evitar que seu amigo se meta em brigas estúpidas por motivos incertos.
*-E aquele cara ali?!
-Quem?
-Aquele que tá com a loura gostosa alta de vestido branco.
-Sei. Que tem ele?
-Acha que eu aguento com ele na porrada?
-Que? Como assim, Olavo? Quando chegamos aqui você me perguntou se eu achava que a loura gostosa era muita areia pro seu caminhão. Sete cervejas depois, e você quer saber se consegue pegar o acompanhante dela?
-Pegar de porrada! Pegar o cara na porrada! Que fique bem claro.
-Entendi. Mas porque essa mudança brusca de objetivo?
-Não sei. De repente me pareceu algo mais fácil a se fazer.
-Mais fácil que pegar a loura gostosa alta de vestido branco?
-Poxa Mourão! Bater em mulher jamais, né camarada.
-Cara, vou te dar uma ideia forte. Para de beber.
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Comentários
1 Comentários

Um comentário :

  1. cara, quando eu bebia pra valer, eu fazia o 2° tipo. Agora que pego leve na bebida, continuo fazendo o mesmo tipo só que sem a ressaca no dia seguinte.
    Curto bastante seu blog. Também escrevo e sei o trabalho que dá manter um trabalho bacana como esse. Até.

    ResponderExcluir