sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

O Pior Emprego do Mundo

Ou trabalhar na contra mão do desejo é um suicídio capital lento e doloroso

Não era assim que eu imaginava a minha vida aos 31 anos.. Não era assim que eu imaginava a minha vida depois de tantas publicações e conquistas literárias.
- ABAPRIM, bom dia! Eu sou Allan Pitz, em que posso ajudá-lo?
Aquele crachá pesava no meu pescoço. Nele uma foto minha com cara de assustado, abaixo o meu cargo: Serviço de Atendimento ao Cliente. O trabalho era uma droga, o salário um tanto quanto ridículo, mas a melhor parte era encarar 3 horas de trânsito (num percurso que deveria ser feito em menos de quarenta minutos) espremido em um ônibus fedorento e quente para pagar minhas dívidas. A volta era ainda pior.

- Ei, João, quanto você paga no meu calhambeque?
- Dou quatro mil e duzentos...
- Filho da puta... Você sabe que vale mais.
- Tempos difíceis meu amigo. É pegar ou largar.
- Eu pego, mas torço por você, para se ferrar e quem sabe até morrer dentro dele.
- Feito!

Quase todos os escritores recebem apoio de algum parente patrocinador que acreditou em seu trabalho, e esse foi o meu caso. Tinha um avô fissurado em meus contos e poemas, e uma tia que também vibrava, mas ambos estão mortos agora. A segurança dos anos dourados, onde escrever era única regra, deram lugar ao zero absoluto e a necessidade total, selando assim o fim da “vagabundagem literária” que fazia brotar minha filosofia natural e não acadêmica.

 E aquele emprego no interior de MG?
- Nada feito..
- Foi demitido?
- Nem comecei.
Rodei uma parte do país com currículos na bolsa, levei na mala algumas peças de roupas e uma porrada de livros do Hunter Thompson, do Bukowski, do Sartre, do Neruda. Ficava nos hotéis baratos, e pela manhã corria as cidades em busca de emprego. Se a vida me colocara no patamar obrigatório de ser um homem normal, eu seria normal fora da cidade grande. Porém a coisa toda, para variar, não saiu de acordo com o planejado. 
Lá estava o escritor, resignado, sentado na frente de um computador, atendendo clientes descontentes e lesados por uma empresa de bosta no Centro do Rio de Janeiro. E quando eu terminava o expediente, exausto de tanto enganar as pessoas, ainda corria até a faculdade para terminar o meu curso de letras, abandonado aos 22 anos. Todas aquelas garotas metidas cheirando a creme de morango passavam com seus badulaques tecnológicos, esgueiradas no conforto de algum carro importado, oriundo do rabo seco de um empresário escroto ou de um namoradinho medonho. A verdade é que eu não queria nenhuma delas nem a amizade deles, queria apenas dinheiro e por isso estava ali, mas confesso que reparar naquela gente fútil e rasa depois de um dia tão estressante de trabalho despertava em mim pensamentos que beiravam a psicopatia.

- ABAPRIM, bom dia! Eu sou o arrombado do Allan Pitz, em que posso ajudá-lo?

Cada ligação atendida me levava um dia vivo. Eu precisava acabar com aquilo.
Pois o inferno é não conseguir parar de pensar sobre questões infernais, senhores. O inferno é entregar a vida por um punhado ridículo de dinheiro nojento. O Inferno é passar pela vida sem ter o direito de viver a vida da maneira que bem entender, falhar com ela, virar seu refém. O inferno é ser escravo do papel capital, do papel da segurança, papel do status, e fazer papel de trouxa na frente dos objetivos e ilusões. 
Filhos da sórdida burocracia, todos nós. Ferrados e sem opção. 
Deus salve os ricos. E que o diabo se encarregue dos pobres, como sempre fez.

- Senhor Vitorino..
- Pois não, Pitz...
- Eu quero pedir demissão.
- Já?
- Sim, esse trabalho é um lixo.

Agora preciso de outro emprego para pagar a faculdade. O carro já era. O vinho acabou também. Mas estou feliz por não ver as almas tristes que perambulam pela cidade maravilhosa em um dia de trabalho escravo.
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Comentários
4 Comentários

4 comentários :

  1. Parabéns, gostei do texto! Tem emprego que é uma merda mesmo, eu faria a mesma coisa !

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo texto, eu faria s mesma coisa!

    ResponderExcluir
  3. Ótimo texto. Continuando assim ganhara um fã

    ResponderExcluir