sexta-feira, 25 de abril de 2014

Escrever não é fácil, e talvez você morra tentando.

O grande escritor achava que escrever era fácil. Viver de letras seria natural, de acordo com tudo aquilo que o idiota produzia, durante seus delírios animados por vinho ou uísque. Coitado.
- Geraldo, eu não aguento mais o processo.
- Que processo?
- Mandar originais para editores, lamber sacos, tudo isso.
- E agora?
- Não sei.
- Novidade você não saber.
- Ééé...

Pegava o carro velho, depois de conversar nos bares do centro, e via de passagem a minha bela cidade do caos. Respirava fundo, sabedor de que o inferno é algo inspirador, e que as palavras, sacanas, viriam aos montes. E caso não viessem, abriria aquele maldito site russo para assistir strippers do Leste capazes de levantar Trotsky e Lênin de pau duro da cova para a vida capitalista, e beberia mais um pouco. Depois provaria o veneno dos noticiários, absorvendo para cuspir, palavra por palavra, sobre este mundinho bem fodido.

Então ele ama alguém, uma mulher surge, os pensamentos se revezam. A depressão já não é uma constante e ele percebe que isso (a depressão) o ajudava a escrever de maneira desenfreada. Descobre, tardiamente, que sua literatura, amiga fiel, foi forjada na desgraça e na solidão, e talvez não exista nela espaço para um punhado genuíno de alegria.
- Oi Pitz!
- Oi Laurinha, o que manda?
- Parou com a coluna no DpM?
- Não... Mas ando sem inspiração. Estudando naquela faculdade filha da puta, trabalhando, juntando tostões, pagando dívida.
- Humm.. Um homem sério!
- Nunca.
Não existe essa coisa do homem sério, o homem é o homem e poucas vezes ele é sério. Os problemas de comando são sérios, o mundo me parece sério até demais com suas tempestades e trovões, terremotos, vulcões, mas a humanidade é só uma puta brincalhona tentando arrumar clientes depois das três da madrugada. A sociedade é uma babá, sacana, quente, tentando fisgar o marido da patroa com ares de zombaria erótica. E o homem comum fede, mesmo quando se perfuma, e ele sabe disso.
- Oi amor, o que está fazendo agora?
- Tentando escrever, garota..
- Sobre o quê?
- Que merda, eu sinceramente não sei!
- Está de mau humor?
- Talvez.
- Me ama?
- Sim..

É estranho olhar para trás e me ver encarando um editor escroto nos olhos. Ele me dizia que eu não chegaria a lugar nenhum porque queria viver de livros, e todos que fazem isso acabam morrendo pelo caminho para dar de comer aos urubus. Eu quis arrancar-lhe os olhos com os dedos, e depois mijar na cabeça dele para mostrar que caras como ele são apenas vasos sanitários; mas hoje preciso admitir que, aquele saco de bosta vazio possuía máxima razão. Não se pode sonhar demais. O sonho é privilégio bobo daquele que ainda não realizou porra nenhuma. Sonhar em ser grande é coisa de quem é pequeno. Realizar grande, isso sim, que honra para um futuro cadáver.
Mas eu não quero ser nada além de papel e ilusão. Um homem caminhado com um coração que bate por osmose. Uma garrafa vazia e uma felicidade aparente.

Uma felicidade aparente. Um miserável.

Conheça um pouco mais do trabalho do nosso colunista Allan Pitz no livro 'Estação Jugular'. Clique no banner abaixo da nossa loja virtual e confira!
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Comentários
0 Comentários

0 . :

Postar um comentário