sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

O melhor remédio contra o mau humor

Às vezes você só quer apertar um botão e mandar o mundo pelos ares

Na semana passada eu cheguei ao limite do meu estresse. Não sei bem como se deu o processo, mas as pessoas me irritaram mais do que de costume. Vozes e vozes e razões, e merda. E merda. E vozes. E filas. E defuntos. E trânsito. E televisão. E capas ridículas de jornais.
Eu tento ser positivo com a minha vida e com o mundo, mas no fim acho uma enorme babaquice levar a diante um positivismo cego enquanto as bombas explodem sem controle perto do seu rabo. Prédios caem, florestas somem, animais imploram, homens imploram, Deuses imploram; certezas implodem novas certezas. E você dança sozinho, no escuro, a valsa da fé no absurdo, sorrindo (sem dente) ao teu futuro traçado bem antes do teu presente.

Eu preciso olhar algum cenário bonito, uma praia, montanha, céu estrelado, algo que me lembre de onde estou, e o que de fato é essa porra de lugar. As pessoas são apenas pessoas e isso as resume bem. Elas não são paisagens, nem coisas incríveis. São contas a pagar, documentos de identificação, contas correntes, línguas pedantes, pensamentos rasos, crediários, formulários de preenchimento. São pessoas, e isso geralmente é tudo que conseguem ser.

- Pitz, o que vai fazer com este controle?
- Vou apertar o botão do meio e mandar tudo pelos ares.
- E pra que explodir com tudo?!
- Não é o fim, é só um reset. Para que o mundo seja menos cagado.
A maioria e a minoria, a luz e a sombra, o grande e o pequeno, o politizado e o alienado, o Jesus moderno e o diabo retrô: Que se danem! Somos chatos pra cacete! Razões repetitivas são furadas e quase tudo que acontece neste tabuleiro humano é ridículo. Já olharam para o céu à noite (e durante o dia)? Isso aqui é uma pedra flutuando no meio do nada, essa porra aqui é um farelo de banquete, e nós somos apenas parte desse nada! O silicone, a bundinha malhada, o terno de dois mil e quinhentos, sua razão, sua etnia, seu carrão, sua posição social, sua mansão: partículas microscópicas do nada! Isso aqui é uma pedra, isso aqui é um mistério fodido! E você, meu camaradinha, querendo ou não, é apenas um bicho escroto de Darwin.

A sorte é que o olhar de cada um enxerga a vida de uma maneira diferente. 
(sim, os dias estão passando devagar, e incrivelmente a bebida não está ajudando ultimamente)


Conheça um pouco mais do trabalho do nosso colunista Allan Pitz no livro 'Estação Jugular'. Clique no banner abaixo da nossa loja virtual e confira!
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Comentários
0 Comentários

0 . :

Postar um comentário