sábado, 3 de janeiro de 2015

5 Livros que podem te ajudar a 'virar a página' nesse ano novo

É hora de tocar um ano Ano Novo, e sabe o que isso significa? Resoluções! Neste momento, muitas pessoas costumam dar uma boa olhada no ano que passou, e se perguntam como podem avaliar suas atitudes e fazer tudo melhor no próximo ano.
Com o Ano Novo geralmente surge a nossa inexplicável necessidade de virar uma nova página em nossas vidas, (seja lá o que isso signifique). Mas, enquanto alguns proclamam diversas promessas que certamente não pretendem cumprir, outros poucos realmente encaram o início de um novo ano como uma nova oportunidade de catalisar mudanças significativas.
Independente de qual grupo acima você se enquadre, aqui está uma lista de livros que falam sobre recomeços, reinvenções e segundas chances que acreditamos ser excelentes dicas para te respaldar já nessa nova etapa que se inicia.

✔ Livre: A Jornada de uma Mulher em Busca do Recomeço, de Cheryl Strayed
Aos 22 anos, Cheryl Strayed achou que tivesse perdido tudo. Após a repentina morte da mãe, a família se distanciou e seu casamento desmoronou. Quatro anos depois, aos 26 anos, sem nada a perder, tomou a decisão mais impulsiva da vida: caminhar 1.770 quilômetros da chamada Pacific Crest Trail (PCT), trilha que atravessa a costa oeste dos Estados Unidos, do deserto de Mojave, através da Califórnia e do Oregon, em direção ao estado de Washington. Sem qualquer companhia. Cheryl não tinha experiência em caminhadas de longa distância e a trilha era bem mais que uma linha num mapa. 
"Minha caminhada solitária de três meses pela costa oeste teve muitos começos. Houve a primeira decisão repentina de fazê-la, seguida pela segunda resolução, mais séria, de realmente realizá-la e então o longo terceiro começo, composto de semanas de compras, empacotamento e preparação. Mas, na realidade, minha caminhada começou antes de eu sequer imaginar empreendê-la, mais precisamente quatro anos, sete meses e três dias antes, quando estava em um pequeno quarto da Clínica Mayo, em Rochester, Minnesota, e soube que minha mãe ia morrer!", escreve a autora. 
Bobbie, a mãe de Cheryl, era uma saudável vegetariana não fumante, que morreu aos 45 anos, exatos 49 dias depois do diagnóstico de câncer de pulmão. "Sempre soube que minha mãe havia partido muito jovem. Mas só agora, aos 44 anos, prestes a completar a mesma idade, é que me dou conta do quanto ela era jovem", diz a autora. Seu pai era um homem violento, que saiu de casa abandonando a mulher com os três filhos, quando Cheryl tinha apenas seis anos, a irmã Karen, nove, e o irmão Leif, dois. "Nosso pai nos maltratava, era tirânico. Minha mãe era "minha heroína", mas eu estava determinada a não seguir seu exemplo.", conta a autora, atualmente mãe de dois filhos e feliz em seu segundo casamento.

✔ O Fio da Vida, de Kate Atkinson
E se você pudesse mudar as escolhas da sua vida? 
E se ao nascer de novo, refazendo sua trajetória, pudesse mudar o destino de outras pessoas e até o curso da história? 
É esse fascinante jogo com o tempo que permeia a narrativa de Ursula, a personagem principal de O Fio da Vida, livro da escritora britânica Kate Atkinson. 
Na trama, Ursula, que nasce em 1910, parece viver em um eterno déjà-vu. Às vezes, sabe o que alguém vai dizer antecipadamente. Ou prevê um incidente banal que vai acontecer. Fica confusa entre o que é real ou não. Sua família vive no interior da Inglaterra. Uma das criadas acha que Ursula tem um sexto sentido. A tia a considera uma pequena vidente. A mãe chega a dizer que Ursula é uma estranha no ninho. E o psiquiatra, dr. Kellet, comenta sobre reencarnação quando ela tem dez anos. Ele explica que seu cérebro pode ter uma pequena imperfeição, que a leva a pensar que esteja repetindo experiências, morrendo e renascendo, apesar de isso não ser verdade. 
A autora Kate Atkinson narra os destinos de Ursula - todo o contexto se passa entre 1910 e 1945, abarcando os dramas das duas guerras mundiais - e desenha novas perspectivas a partir de um mesmo fato. 
E se ele tivesse acontecido de outra maneira, qual seria o seu fim? 
O relacionamento, nem sempre muito cristalino, entre os integrantes da família Todd, as criadas e os jardineiros, é muitas vezes pontuado por mortes, que nem sempre são esclarecidas. E é assim, com uma morte, a do futuro líder nazista, que Kate Atkinson nos apresenta Ursula e começa a jornada de sua personagem: ela saca da bolsa o velho revólver de seu pai, um movimento ensaiado uma centena de vezes, e dá um tiro, bem na altura do coração de Hitler. Cai a escuridão. Tudo recomeça?

 Todo Dia, de David Levithan
 Neste romance David Levithan leva a criatividade a outro patamar. Seu protagonista, A, acorda todo dia em um corpo diferente. Não importa o lugar, o gênero ou a personalidade, A precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que só por um dia. Depois de 16 anos vivendo assim, A já aprendeu a seguir as próprias regras: nunca interferir, nem se envolver. Até que uma manhã acorda no corpo de Justin e conhece sua namorada, Rhiannon. A partir desse momento, todas as suas prioridades mudam, e, conforme se envolvem mais, lutando para se reencontrar a cada 24 horas, A e Rhiannon precisam questionar tudo em nome do amor. 
David Levithan é editor e autor premiado de livros jovem adulto. Seu último sucesso Will & Will - Um nome, um destino, escrito com John Green, foi o primeiro livro jovem adulto com personagens gays a entrar na lista dos mais vendidos do NYT.

✔ Quem é Você, Alasca?, de John Green
Primeira cerveja. Primeiro trote. Primeiro amigo. Primeiro amor. Últimas palavras.
Vencedor do Printz Award, da American Library Association, e estreia de John Green como uma das vozes mais cativantes e inovadoras da ficção contemporânea, Quem é Você, Alasca? retrata brilhantemente o impacto indelével que uma vida pode exercer sobre outra. Miles Halter estava em busca de um Grande Talvez. Alasca Young queria saber como sair do labirinto. Suas vidas se colidiram na Escola Culver Creek, e nada nunca mais foi o mesmo. Mas antes, um breve resumo de como tudo aconteceu:
Miles Halter vivia uma vidinha sem graça e sem muitas emoções (ou amizades) na Flórida. Ele tinha um gosto peculiar: memorizar as últimas palavras de grandes personalidades da história. Uma dessas personalidades, François Rabelais, um escritor do século XV, disse no leito de morte que ia em "busca de um Grande Talvez". Para não ter que esperar a morte para encontrar seu Grande Talvez, Miles decide fazer as malas e partir. Ele vai para a Escola Culver Creek, um internato no ensolarado Alabama. 
Lá, ele conhece Alasca Young. Ela tem em seu livro preferido, O general em seu labirinto, de Gabriel García Márquez, a pergunta para a qual busca incessantemente uma resposta: "Como vou sair desse labirinto?" Inteligente, engraçada, louca e incrivelmente sexy, Alasca vai arrastar Miles para seu labirinto e catapultá-lo sem misericórdia na direção do Grande Talvez. Miles se apaixona por Alasca, mesmo sem entendê-la, mesmo tentando sem sucesso decifrar o enigma indecifrável de seus olhos verde-esmeralda. 

✔ A Nascente, de Ayn Rand
Howard Roark é um jovem determinado que largou uma prestigiosa faculdade de arquitetura pouco antes de se formar e se recusa a seguir os padrões de uma sociedade que rejeita seu modo independente de pensar e agir. Decidido a não empregar seu talento para perpetuar estilos ultrapassados, ele prefere aceitar trabalhos mal remunerados, que demandam apenas força braçal. 
Neste polêmico romance, a célebre escritora Ayn Rand narra a história da luta de Roark, um homem de integridade inabalável, que enfrenta obstáculos como o desemprego, a ruína financeira e a humilhação pública, porém nunca abre mão de seus valores. 
Apesar da pressão social, profissional e financeira para que se adapte aos modelos estabelecidos, Roark luta para combater três tipos de indivíduos: os tradicionalistas, que, presos ao passado, não conseguem ver as inovações propostas pelo jovem visionário; os conformistas, que, incapazes de atender à própria vontade, aceitam passivamente as regras e os valores definidos por outras pessoas; e os parasitas, que rejeitam o herói autoconfiante, que vive para si próprio e não se deixa explorar por ninguém. 
Disposto a aceitar as responsabilidades e as consequências do pensamento independente, Roark observa os fatos e os julga sem levar em conta a opinião pública, pois não precisa da aprovação social. Ele é um individualista, confia nos próprios pensamentos para chegar a suas conclusões - e, justamente por isso, é um homem livre. 
Provavelmente mais atual hoje do que na década de 1940, quando foi publicado nos Estados Unidos, este livro apresenta uma das ideias mais desafiadoras já narradas em uma ficção: a de que o ego do homem é a nascente do progresso humano - a fonte de todas as suas realizações e conquistas.
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Comentários
1 Comentários

Um comentário :

  1. Opa, comecei a ler Quem é você Alasca? hoje! Não leio muito este tipo de livro, sou mais de terror, fantasia e clássicos, mas estou variando um pouco e escolhi esta leitura :D vamos ver se é bom!

    Abraço, bom final de semana.

    ResponderExcluir