quarta-feira, 22 de abril de 2015

A Maldição do Cinema - Bitter Feast

Bitter Feast
Diretor: Joe Maggio
Roteiro: Joe Maggio
Atores: Joshua Leonard (A Bruxa de Blair), James LeGros, Amy Seimetz
País: EUA
Ano: 2010

Peter Grey é um excêntrico chef que preza pelos materiais usados em suas receitas e tem como companheira de cena em seu programa de TV, Megan, que transforma todas as suas falas e atos em uma piada, ato que ele detesta. Dessa forma, ela atrai público enquanto ele, prezando pela qualidade e seriedade de seu trabalho e pouco se importando com a audiência, faz com que tal despenque, o que leva à possibilidade do encerramento de seu programa. Nesse mesmo tempo o arrogante crítico culinário JT Franks, dono de um blog que é uma referência de indicação culinária, após jantar no restaurante de Peter, acaba com o mesmo em sua resenha, o que resulta no encerramento do programa de Peter Furioso com sua atual situação, ele vai atrás de JT e o obriga a reviver suas críticas de forma cruel.
Apesar da ocupação de postos distintos, os dois são muito semelhantes. JT perdeu um filho de leucemia e desde então trata a esposa como lixo, enquanto Peter, quando criança, matou seu irmão durante uma brincadeira onde se sentiu extremamente acuado.  Donos de egos infláveis e atitudes detestáveis, ambos têm a morte como ponto de início e sustentação para todo e qualquer ato, inclusive como possibilidade de solução. A diferença entre eles está unicamente em quem está no poder, quem dá as ordens. E assim, no decorrer, temos a certeza de que não são vilões, muito menos mocinhos. Mas pessoas que exaltam o pior de si por não saber lidar com os fatos.
O filme discute, nas entrelinhas, questões como limite: independente da idade, até onde podemos ir em relação ao outro e por mais que o conheçamos ou nos sintamos protegidos, seja pela distância ou pela tela de um computador, existe um limite que não deve ser ultrapassado. A ação de um ser humano acuado é imprevisível e algumas vezes pode ultrapassar o limite da sobrevivência, transformando-se em sadismo a fim de que o outro viva, fisicamente, todo o tormento que passa por cabeça, numa tentativa de que ele sofra tudo pelo qual ele, o acuado, passou. Para alguns a resposta é simples: A morte do outro para resolver os problemas que são o ápice da tensão em suas vidas. A vingança aqui nada mais é que o resultado de questões internas nem um pouco bem trabalhadas, além da fuga fácil desses momentos de muita tensão. Se fôssemos colocados diante daquilo que criticamos para fazer o mesmo, conseguiríamos? Superaríamos? Ou nossas opiniões seriam frutos de uma frustração?

Bitter Feast  é um excelente filme que mantém uma tensão do início ao fim, com requintes de crueldade, sadismo e um quê de ironia, tudo muito bem embalado pelo belo tema composto por Jeff Grace(Os demais momentos da trilha são igualmente importantes para a história) que em alguns rápidos momentos lembra a linha melódica do pianista italiano Ludovico Einaudi (Aconselho você a conhecer seu trabalho). Um trabalho imperdível para os fãs do gênero e todos aqueles que apreciam uma história simples e muito bem apresentada.
E qual o pensamento que tirei sobre?
Nada como uma história simples, porém bem contada.

PREMIAÇÕES:
-Fangoria Chainsaw Awards – 2011
-Indicações para Melhor Ator (James Le Gros) e Melhor Ator Caodjuvante (Joshua Leonard)

Você confere o trailer aqui:
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Comentários
0 Comentários

0 . :

Postar um comentário