domingo, 12 de julho de 2015

O Código Perdido - Os Atlantes (Kevin Emerson)

Quando me deparo com a leitura de uma distopia, o que mais me fascina nesse tema são os pequenos detalhes que são acrescentados ou subtraídos para diferenciar uma obra da outra dentro de um mesmo gênero. Cada um a sua maneira, os autores vão dando seus toques pessoais aquela já conhecida ideia central, tentando surpreender o leitor ao entregar o mesmo produto em uma nova embalagem. Algumas pessoas podem julgar mal esta prática, mas eu acho extremamente válido. Principalmente para apreciar os diferentes resultados que podem surgir dessa busca legítima por 'originalidade'. Basta entendermos que é assim que esse estilo se renova desde a publicação de 1984 de George Orwell.
E por mais que distopias possam parecer 'variações de um mesmo tom' (uma ideia muitas vezes reforçada até mesmo na própria publicidade da obra), você sempre pode encontrar um livro que tenha algo a acrescentar sobre este gênero. E acho que este pode ser o caso de O Código Perdido - Os Atlantes (Editora Leya, 351 páginas), começando pelo seu cenário, que é algo totalmente diferente de tudo que já vi. Mas no quesito 'enredo', a obra do autor Kevin Emerson também é um exemplo de que, em se falando de distopia, não se pode fugir muito do que já está sacramentado na cartilha.

A primeira mudança significativa que vale a pena mencionar, é que aqui temos o garoto Owen Parke como protagonista, contrariando as típicas mocinhas que estrelam outras distopias conhecidas. Ele vive abaixo da terra, impossibilitado de levar uma vida normal ao ar livre. Após passar por um evento devastador conhecido como 'Ascensão', a camada de ozônio é dissipada, as calotas polares são derretidas, as águas invadem as cidades, e o único lugar habitável do planeta são enormes domos chamados Éden, onde a humanidade tenta reproduzir o seu antigo ambiente antes do incidente. Sendo assim, temos uma paisagem em que tudo sobre essas estruturas é artificial, e criado para simular o antigo ecossistema da Terra.
Após ser enviado para um acampamento pelo sei pai, o jovem Owen passa por uma estranha experiência durante um afogamento nos seus primeiros dias no lugar. Seu corpo começa a passar por certas transformações e ele misteriosamente passa a enxergar coisas que poucos podem ver. Estas mudanças fazem ele se aproximar de Lily, uma menina que também é diferente dos outros do acampamento, e juntos eles procuram entender os seus dons e por que são considerados tão especiais.

A narrativa em primeira pessoa torna o livro um tanto lento em grande parte do seu enredo, forçando o leitor a seguir o roteiro pelos olhos inexperientes do jovem protagonista. A personalidade de Owen Parke também não ajuda na empatia com o personagem, muitas vezes sendo irritante a sua apatia perante certas situações.
Apesar de pecar em alguns momentos durante o desenvolvimento da trama, O Código Perdido consegue salvar-se no final e entregar para o leitor exatamente aquilo que promete... Uma distopia com uma ambientação original, e segredos suficientes para manter o leitor em 'animação suspensa' até o lançamento da continuação.

Para conhecer o final desta história, clique agora no banner abaixo da nossa parceira Submarino e compre o seu exemplar. Depois volte aqui e conte a sua própria experiência com o livro em nossos comentários.
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Comentários
0 Comentários

0 . :

Postar um comentário