segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

O Último Chefão (Mário Puzo)

Já percebi que pelo menos uma vez por ano eu sempre arrumo um jeito de separar um espaço de tempo para mergulhar de cabeça em um tipo muito específico de literatura. Odiadas por alguns e simplesmente idolatradas por aqueles que gostam, as histórias que envolvem o romancismo criminoso da máfia italiana exerce um inegável fascínio no universo masculino desde o sucesso da clássica trilogia O Poderoso Chefão. De lá pra cá, todo fã do estilo sempre procura uma vertente similar que provoque as mesmas sensações que os filmes dirigidos por Coppola. 
Enquanto produções menores e séries como A Família Soprano tentam revitalizar o tema, ainda é na literatura que ele ganha novas forças, com livros que prometem dar continuidade ou contar outras histórias a respeito da saga da família Corleone, imortalizada nas telas do cinema. Nesse pique, já resenhamos por aqui obras como A Volta do Poderoso Chefão, que cronologicamente ocorreria entre o primeiro e o segundo filme, e o recente A Família Corleone, que atua como um prequel da trilogia contando a jornada do jovem Sonny.
Mas o que pouca gente sabe, é que o maior precursor do gênero mafioso, o grande escritor Mario Puzo, autor do livro que inspirou a trilogia O Poderoso Chefão, também narrou as atividades escusas de outras famílias criminosas. Como é o caso dos modernos Clericuzios, protagonistas do seu livro O Último Chefão (Editora Record, 544 páginas).

Sem precisar apelar para os seus personagens mais conhecidos, o autor decide dar vida a uma nova família de mafiosos que ostentam o antigo poder do crime organizado em meio ao recente avanço da indústria de entretenimento do início da década de 90. Acompanhamos a saga dos Clericuzios desde o batizado dos seus mais promissores herdeiros, os primos Dante e Cross. Duas crianças que crescem no seio de uma família tão leal e amável, quanto brutal quando necessária.
Após eliminar a única família rival, o poder dos Clericuzio cresce tão saudável quanto seus jovens soldados. Enquanto o carismático Cross é levado a tocar os negócios da organização em Las Vegas assumindo um luxuoso hotel e cassino na cidade, o destemperado Dante trilha o caminho do assassino sendo incumbido de eliminar os inimigos da máfia e futuramente substituir o pai de Cross como o 'justiceiro' oficial da família.
Com uma sutileza primorosa, Mario Puzo se dá o trabalho de construir um cuidadoso palco cheio de armadilhas visuais para o leitor, que, assim como os personagens, em determinado momento passa a suspeitar de tudo e de todos, sem ter qualquer certeza até conseguir ler a última linha da última página do livro.

Mesmo com medo de ser apedrejado pelos mais fanáticos, ouso dizer que O Último Chefão é uma saga (mesmo sendo composta por um único volume), tão absorta quanto O Poderoso Chefão, ou até mais, dependendo de qual elemento você quer retirar da acepção do tema. 
O livro também ganhou uma adaptação exibida na TV em formato de mini série e intitulada como 'The Last Don', mas sem qualquer expressão aqui pelo Brasil. Os episódios podem ser encontrados no youtube divididos em duas partes, mas sem legendas em português.
Ao fim dessa leitura, a única coisa que me veio a mente é: Porque ainda continuamos a procurar por genéricos, se ainda há tanto do original a ser consumido?

Para conhecer o final desta história, clique agora no banner abaixo da nossa parceira Submarino e compre o seu exemplar. Depois volte aqui e conte a sua própria experiência com o livro em nossos comentários.
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Comentários
0 Comentários

0 . :

Postar um comentário

O Dito pelo Maldito é um blog voltado para a literatura de contracultura . Seus textos são provocativos, críticos, cínicos e debochados, muitas vezes não tomando partido em uma questão apenas para poder agir como uma espécie de Advogado do Diabo do caso.
Na verdade um anti-blog criado para falar bem,...de tudo que você odeia.