domingo, 7 de agosto de 2016

7 Livros 'paranormais' para ler após assistir o novo filme 'Caça-Fantasmas'

Se você decidiu encarar a enxurrada de críticas negativas, e ainda assim não se refutou em tirar um dia da semana para ir ao cinema assistir ao nostálgico reboot do clássico "Caça-Fantasmas", provavelmente as três décadas em que em que a franquia ficou no ostracismo, ainda deve bater forte dentro do seu peito. Eu sou um fã confesso desde a infância, e acredito que os filmes e desenhos da série foram grandes responsáveis por me despertar o interesse pelo gênero paranormal.
Embora os Caça-Fantasmas tenham sido deixados de lado nos últimos 30 anos, isso nos deu bastante tempo para preencher esse vazio com leituras que emanam o mesmo espírito (sem trocadilhos) criado pela marca, com histórias sobre fantasmas sarcásticos, morto-vivos hilários e bruxas atrapalhadas. Apresentando um terror cômico que caracteriza o estilo.
Aqui listamos alguns desses livros que, assim como o novo Caça-Fantasmas, são um tanto assustador,... Mas também bem engraçados. Além da maioria deles serem protagonizados por mulheres incríveis que podem garantir a tranquilidade do seu sono a noite.

 Ghostgirl (Tonya Hurley)
Charlotte Usher está no último ano do ensino médio e se sente praticamente invisível na escola, até que um dia fica invisível de verdade. Pior ainda: morre. E tudo por causa de um cara e uma bala de goma. 
Mas ela está tão desesperada para ser popular que o desejo permanece mesmo após sua morte repentina. Aproveitando suas habilidades de fantasma, Charlotte não descansará enquanto não conseguir o amor de Damen, o garoto dos seus sonhos. 
Romance de estreia da autora e cineasta Tonya Hurley e best-seller da lista do New York Times, o livro foi traduzido para mais de vinte idiomas, incluindo francês e espanhol, e é o primeiro volume da trilogia Ghostgirl. (Editora Ediouro)

 Os Garotos Corvos (Maggie Stiefvater)
Todo ano, na véspera do Dia de São Marcos, - Blue Sargent vai com sua mãe clarividente até uma igreja abandonada para ver os espíritos daqueles que vão morrer em breve. Blue nunca consegue vê-los - até este ano, quando um garoto emerge da escuridão e fala diretamente com ela. 
Seu nome é Gansey, e ela logo descobre que ele é um estudante rico da Academia Aglionby, a escola particular da cidade. Mas Blue se impôs uma regra: ficar longe dos garotos da Aglionby. Conhecidos como garotos corvos, eles só podem significar encrenca. 
Gansey tem tudo - dinheiro, boa aparência, amigos leais -, mas deseja muito mais. Ele está em uma missão com outros três garotos corvos: Adam, o aluno pobre que se ressente de toda a riqueza ao seu redor; Ronan, a alma perturbada que varia da raiva ao desespero; e Noah, o observador taciturno, que percebe muitas coisas, mas fala pouco. 
Desde que se entende por gente, as médiuns da família dizem a Blue que, se ela beijar seu verdadeiro amor, ele morrerá. Mas ela não acredita no amor, por isso nunca pensou que isso seria um problema. Agora, conforme sua vida se torna cada vez mais ligada ao estranho mundo dos garotos corvos, ela não tem mais tanta certeza. 
De Maggie Stiefvater, autora do aclamado A Corrida de Escorpião, esta é uma nova série fascinante,- em que a inevitabilidade da morte e a natureza do amor nos levam a lugares nunca antes imaginados. (Editora Verus)

 A Terra das Sombras - A Mediadora (Meg Cabot)
Falar com um fantasma pode ser assustador. Ter a habilidade de se comunicar com todos eles então é de arrepiar qualquer um. A jovem Suzannah seria uma adolescente nova-iorquina comum, com seu indefectível casaco de couro, botas de combate e humor cáustico, se não fosse por um pequeno detalhe: ela conversa com mortos. Suzannah é uma mediadora, em termos místicos, uma pessoa cuja missão é ajudar almas penadas a descansar em paz. Um dom nada bem-vindo e que a deixa em apuros com mãe e professores. Como convencê-los da inocência nas travessuras provocadas por assombrações? 
Com muito humor, a série A mediadora de Meg Cabot nos apresenta a vida desta mediadora que tem certa ojeriza a prédios antigos: quanto mais velho um edifício, maiores as probabilidades de alguém ter morrido dentro dele. Filha de um pai-fantasma nada ausente e uma nova família, que inclui um pai adotivo e três irmãos postiços, a história começa com a mudança de Suzannah para uma casa mal-assombrada, é claro, na ensolarada Califórnia. Só que Jesse não é um espírito qualquer, é um fantasma bonitão que nada faz para assustá-la, muito pelo contrário. (Editora Record)

O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares (Ransom Riggs)
Tudo está à espera para ser descoberto em O orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares, um romance inesquecível que mistura ficção e fotografia em uma experiência de leitura emocionante. Um mutante que não fosse gabaritado para entrar no instituto Xavier para Jovens Superdotados, seria facilmente aceito para ficar sob a tutela de Miss Peregrine. 
Nossa história começa com uma horrível tragédia familiar que lança Jacob, um rapaz de 16 anos, em uma jornada até uma ilha remota na costa do País de Gales, onde descobre as ruínas do Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares. Enquanto Jacob explora os quartos e corredores abandonados, fica claro que as crianças do orfanato são muito mais do que simplesmente peculiares. Elas podem ter sido perigosas e confinadas na ilha deserta por um bom motivo. E, de algum modo – por mais impossível que pareça – ainda podem estar vivas. Uma fantasia arrepiante, ilustrada com assombrosas fotografias de época, O orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares vai deliciar adultos, adolescentes e qualquer um que goste de aventuras sombrias. (Editora Record)

Os Portões do Inferno estão Prestes a Se Abrir: Cuidado com o Vão (John Connolly)
Como todas as suas obras voltadas para o público jovem, John Connolly, em Os portões, apresenta uma história extremamente criativa, com uma linguagem típica dos jovens e várias citações literárias importantes, desde São Tomás de Aquino até a teoria quântica. Como o próprio autor afirma, "um livro precisa, acima de tudo, ensinar às pessoas amar a literatura".
Escrito para um público mais novo do que o de O livro das coisas perdidas, sua obra anterior publicada pela Bertrand, mas, da mesma forma, original, o livro possui várias citações e mensagens subliminares ao longo de toda a trama. Connolly, conhecido por sua criatividade mágica, consegue novamente produzir uma história diferente de todas as demais do gênero. 
Os portões é uma narrativa divertida e mágica de um menino de 11 anos que, ao lado dos dois melhores amigos e seu cachorro, precisa evitar que os demônios vindos do inferno dominem o planeta Terra. O título do livro refere-se às portas que se abrem para a saída dessas criaturas malignas. 
John Connolly mistura fantasia, humor e ciência numa história arrebatadora, que prova que aprender também pode ser muito divertido. Com certeza, todo leitor vai se divertir com as notas de rodapé do autor (Editora Bertrand).

O Dono do Cemitério (Simone Mendonça)
Localizado na deslumbrante cidade do Rio de Janeiro, o Cemitério do Caju repousa serenamente em uma das vias mais agitadas da cidade, a avenida Brasil.
Quem passa por ali diariamente não imagina que, dentro daqueles portões, há uma intensa atividade acontecendo, mas no mundo dos mortos. 
Zé Maria é o dono do Cemitério do Caju e recebeu a missão de administrá-lo por 100 anos. Quando era vivo, cometeu um ato grave e, de acordo com as leis cósmicas, só depois de cumprir essa pena, poderá ganhar sua liberdade e seguir para o Além. Ele não é só responsável pelo cemitério, como também é o encarregado de recepcionar as pessoas quando é chegada a hora da morte.
Este é o primeiro livro da trilogia O Dono do Cemitério, que narra os últimos três anos da missão de Zé Maria.
Será que ele conseguirá proteger o cemitério da Congregação das Almas Penadas? Vencerá o desafio de cumprir a sua pena com tantos espíritos loucos e rebeldes por perto? Você vai se divertir com essa história e, sem dúvida, se encantará por esse mundo estranhamente cativante, repleto de surpresas e desafios.

Agência de Investigações Holísticas Dirk Gently (Douglas Adams)
A série O Mochileiro das Galáxias consagrou Douglas Adams por sua fina ironia e sua capacidade de elaborar histórias hilárias e inusitadas. Porém, essa não foi sua única obra-prima. Também na década de 1980, ele criou o personagem Dirk Gently, cujos elementos principais surgiram quando escrevia episódios para Doctor Who, outro ícone britânico da ficção científica.
Adams morreu em 2001, deixando dois volumes sobre as aventuras do detetive carismático e arrogante. Agora, finalmente, o primeiro livro é publicado no Brasil.
Richard MacDuff é um engenheiro de computação perfeitamente normal que sempre se comportou muito bem, obrigado, até o dia em que deixa uma mensagem equivocada na secretária eletrônica de sua namorada, Susan Way. Arrependido, toma a decisão mais natural possível: escalar o prédio dela e invadir seu apartamento para roubar a fita com a gravação.
Na vizinhança, Dirk Gently bisbilhota os arredores com seu binóculo quando presencia o ato tresloucado do antigo colega de faculdade e decide entrar em contato para lhe oferecer seus serviços investigativos. Depois de uma série de acontecimentos bizarros, o detetive percebe uma interconexão obscura entre a atitude estapafúrdia do amigo e o assassinato de Gordon Way - irmão de Susan e chefe de Richard, que passa a ser suspeito do crime.
De uma hora para outra, os dois veem-se envolvidos num caso incrivelmente estranho, com elementos díspares e desconexos que, no final, conseguem se encaixar de forma perfeita e construir uma trama típica de Douglas Adams. (Editora Arqueiro)

Veja Também:
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Comentários
1 Comentários

Um comentário :

  1. Amei as indicações.
    Já li 4 livros dessa lista e agora quero muito ler o do Douglas Adams!
    beijos
    Camis - Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir

O Dito pelo Maldito é um blog voltado para a literatura de contracultura . Seus textos são provocativos, críticos, cínicos e debochados, muitas vezes não tomando partido em uma questão apenas para poder agir como uma espécie de Advogado do Diabo do caso.
Na verdade um anti-blog criado para falar bem,...de tudo que você odeia.