quinta-feira, 20 de abril de 2017

Fatos que você desconhece sobre o autor de "Drácula"

No dia 20 de abril de 1912, morria, em Londres, Bram Stoker, autor do clássico romance de terror “Drácula”. O livro, publicado em 1897, é um ícone da cultura pop. Sua obra popularizou os vampiros de tal forma, que as grandes produtoras afundaram seus dentes em numerosas vertentes derivadas dessa criatura, que até hoje rendem filmes, peças de teatro, quadrinhos, séries e mais algumas centenas de outros livros sobre o assunto.
Com tanto material disponível a respeito, a gente acaba ficando com a amarga impressão de que já sabemos tudo que se há para saber sobre os vampiros, mas será que o mesmo se aplica ao maior difusor desse mito? Mesmo sendo o padrinho dos vampiros atuais, a vida de Stoker ainda é desconhecida por grande parte dos leitores modernos. 
Em homenagem a esse grande escritor, resolvemos levantar aqui os mistérios ocultos sobre sua capa, e revelar alguns fatos que você desconhecia sobre o autor de 'Drácula':


✔ Até os sete anos de idade ele era um menino doente à beira da morte.
Sendo o terceiro de sete filhos, Stoker foi um menino de saúde muito frágil. De acordo com o próprio, ele era uma criança acamada que nunca ficou em pé até a idade de sete anos. Em seu livro de memórias ele afirma: "Na minha infância eu ouvi muitas vezes que estava à beira da morte. Certamente, até os meus sete anos eu nunca soube o que era ficar de pé."

✔ Stoker não era conhecido como um escritor
Durante a maior parte de sua vida Stoker não foi conhecido como um romancista, mas como o assistente pessoal do ator Henry Irving, gerente de negócios do Lyceum Theatre em Londres , cargo que ocupou por 27 anos. Como um crítico de teatro para o Dublin Evening Mail, ele começou escrevendo avaliações de peças teatrais. E o seu primeiro livro de não-ficção foi um guia de administração legal burocrático.
Stoker começou a escrever romances em 1890, começando com “The Snake’s Pass” em 1890, e "Drácula" em 1897.

✔ O título original de 'Drácula' seria algo como "O Desmorto"
As 541 páginas do manuscrito original de "Drácula" tinham sido perdidas, até que foram encontradas em um celeiro na Pensilvânia durante a década de 80. Embora o manuscrito tenha sido digitado, o título era escrito à mão, e dizia "The Un-Dead" (algo como 'O Desmorto' na tradução). O título do romance mais famoso sobre vampiros, ao que parece, foi alterado no último minuto.
Além do mais, se não fosse por outra mudança similar de último minuto, Drácula poderia nunca ter emplacado no mercado literário. O temível "Conde Drácula", foi originalmente concebido como "Conde Wampyr".
Quanto a esse manuscrito original que se pensava perdido, foi comprado pelo co-fundador da Microsoft Paul Allen, e agora ele repousa em sua biblioteca pessoal.
✔ "Drácula" foi uma peça de teatro antes de ser um livro
Diferente da maioria das adaptações que normalmente aparecem anos após a publicação do livro em que se baseiam, a adaptação teatral de "Drácula" foi escrita pelo próprio Stoker e apresentada antes da publicação do romance. Ela estreou no Lyceum Theatre, onde Stoker ponderou sob o título "Dracula", ou "The Undead", e foi realizada apenas uma vez.
Após essa primeira adaptação teatral, e, claro, o próprio livro, surgiram uma enxurrada de filmes inspirados em Drácula. Estima-se que cerca de 220 filmes americanos foram lançados com Drácula em um papel principal, e cerca de 300 filmes estrangeiros inspirados em vampiros.

✔ O nome "Drácula" foi inspirado pela família real "Dracul"
Depois de ler um relato histórico das regiões romenas da Valáquia e Moldávia, Stoker ficou fascinado com o nome "Drácula". De acordo com fontes históricas, os descendentes de Vlad II, Duque de Valáquia, adotaram esse nome "Dracul" depois de ingressarem na Ordem de Cavalaria do Dragão, em 1431. Em romeno, "Dracul" significa "dragão" ou "o diabo".

✔ "Drácula" não foi o primeiro romance sobre vampiros 
Claro, é o romance mais famoso de vampiros, mas "Drácula" não é o primeiro a respeito dos sugadores de sangue. Nem é o mais inusitado. 
Sheridan Le Fanu escreveu "Carmilla", sobre uma vampira lésbica que persegue as mulheres jovens solitárias, em 1871. "Varney o Vampiro" (1845-1847) de James Malcolm Rymer, foi uma série de terror gótico, também anterior a "Dracula". (Na verdade, " Drácula "foi provavelmente inspirado em" Carmilla "e" Varney o Vampiro. ") e, em 1819, John Polidori escreveu "The Vampyre" baseado no verão que passou com Mary Shelley a criadora de Frankenstein, seu marido o poeta Percy Bysshe Shelley e Lord Byron . Estas e muitas outras obras e experiências de vida ajudaram a inspirar Stoker a escrever "Drácula".
✔ A mesa onde foi escrito 'Drácula' foi recentemente leiloada por 100 mil dólares
Isso mesmo, a mesa onde Stoker escreveu seu romance de horror foi vendida, e não faz muito tempo. De acordo com a empresa que realizou o leilão, ao longo do último século a peça de mobília teve suas pernas serradas, gavetas desaparecidas, ganhou cicatrizes e marcas de desgaste. Mas foi restaurada e promovida como "uma peça apropriada para as inspirações e imaginação do grande homem". A obra também inclui dois compartimentos secretos que só foram revelados para o novo proprietário.

✔ Você pode agradecer ao Stoker pela overdose de vampiros modernos na literatura 
Embora ele não seja o primeiro escritor a escrever um romance sobre vampiros, e certamente não inventou tal criatura, Stoker criou o formato contemporâneo da mitologia dos sugadores de sangue. Como tal, ele é considerado como o herói anônimo da cultura moderna de vampiros que Hollywood, e a indústria editorial, sugam constantemente com coisas como "Crepúsculo", "Vampire Diaries", "Abraham Lincoln: Caçador de Vampiros", "True Blood", e outros. Graças ao Stoker, os sanguessugas modernos nunca cansam de se alimentar dos vampiros.

✔ Ele não é um autor de um sucesso só
De forma equivocada, Stoker costuma ter a sua imagem reduzida a de um 'autor de um sucesso só', pelo triste fato do mercado nacional ignorar suas outras obras, algumas consideradas tão primorosas quanto o próprio 'Drácula'. Como é o caso de 'O Covil do Verme Branco', considerado o segundo melhor trabalho do escritor. A obra foi publicada originalmente em 1911, e também é considerado um clássico cult do terror, ganhando uma adaptação para os cinemas em 1988, e chegando por aqui sob o título de 'A Maldição da Serpente'.

O Covil do Verme Branco
Uma série de eventos misteriosos e inexplicáveis despertam o interesse do jovem Adam Salton enquanto estava hospedado na casa de seu tio-avô, Richard. Com o intuito de resolver estes mistérios que acabam vitimando crianças e animais da região, Adam acaba se envolvendo numa rede que o leva cada vez mais perto de algo sobrenatural.
Nessa história, Bram Stoker é quase capaz de criar uma versão feminina do seu próprio Drácula, ao apresentar uma criatura sedutora e letal, e associá-la a figura fascinante de uma serpente.
O Covil do Verme Branco foi publicado originalmente em 1911, na Inglaterra, e depois republicado com partes editadas em 1925. Trata-se de um clássico cult do terror e mais uma grande obra de Abraham “Bram” Stoker que virou filme, chegando às telas do cinema em 1988.

Gostou?! Então clique agora no banner abaixo da Livraria Cultura e compre o seu exemplar. Depois volte aqui e conte a sua própria experiência com os livros em nossos comentários.
Gostou? Curta nossa fanpage no Facebook...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Comentários
2 Comentários

2 comentários :

  1. Muito boa a matéria!
    A história sobre a infância de Stoker me era desconhecida.
    Conhecia as obras de Polidori e Le Fanu, mas nunca tinha ouvido falar nesse tal de Rymer e seu Varney.
    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Oi, Maldito.
    Adorei conhecer mais sobre o Stoker e não vejo a hora de conseguir ler o meu Covil!!
    beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir